PUBLICIDADE
Topo

GreNal: com times na 1ª divisão, rivalidade aumenta no feminino

Roberta Nina

23/01/2020 13h30

Fabi Simões marcou dois gols do Inter na final do Gauchão em 2019 (Foto: Mariana Capra)

Se em 2019 a rivalidade entre gremistas e coloradas foi marcante – principalmente na final do Gauchão com muita torcida e cobertura da imprensa em Ijuí – a temporada de 2020 promete fortes emoções para os gaúchos.

Isso porque as duas maiores equipes do Sul do país disputarão a elite do Campeonato Brasileiro feminino e, com isso, os confrontos irão além dos campeonatos regionais. Então já se prepare: no dia 05 de abril, teremos Gre-Nal feminino válido pelo campeonato nacional.

Acompanhe abaixo o que cada equipe conquistou em 2019 e como se prepararam para disputar a atual temporada.

Gurias Coloradas

No ano passado, o Internacional chegou às quartas de final do Brasileirão (caiu para o Flamengo/Marinha) e levantou a taça de campeão gaúcho em cima do maior rival, vencendo a partida por 4×2 em Ijuí.

Inter bateu o Grêmio na final do Gauchão por 4×2 (Foto: Mari Capra)

Além de brigar por títulos no profissional, a base colorada não ficou pra trás. A equipe Sub-18 foi campeã brasileira da categoria em cima do São Paulo, a Sub-14 campeã gaúcha invicta em cima do Grêmio, a Sub-16 também sagrou-se campeã gaúcha em cima do Grêmio, a Sub-14 vice-campeã da Liga de Desenvolvimento da Conmebol (perderam para o Centro Olímpico) e a Sub-16 campeã da mesma Liga de Desenvolvimento da Conmebol vencendo a Chapecoense. 

Sob a gerência de Duda Luizelli, coordenadora técnica da modalidade no clube, o Internacional se reforçou com qualidade para encarar a temporada. Anunciadas nos últimos dias de 2019 estão: Kemelli (goleira), Djenifer Becker (meia), e Byanca Brasil (atacante), todas elas com passagens pela seleção brasileira principal e de base.

Além delas, as jovens Mayara, Tai, Isa Haas, Belinha, Malu Schwaizer, Julia, Jheniffer e Queila, campeãs brasileiras sub-18 no último ano, foram incorporadas ao grupo principal do time colorado.

Reapresentação do elenco para 2020 (Foto: Site Oficial/Internacional)

"Vamos para o quarto ano de retomada do futebol feminino no Internacional. Tivemos em 2019 um ano excelente. A ideia, para 2020, além de repetir, é que consigamos crescer e conquistar ainda mais espaço para o futebol feminino do Inter. Fizemos um grande esforço de manutenção de atletas e trouxemos alguns reforços. Nosso objetivo é entrar em todas as competições buscando o título. Além disso, esperamos que nesse ano tenhamos, cada vez mais, o envolvimento da nossa torcida. Que cada vez mais a torcida vá aos jogos, acompanhe, pois este se trata de um departamento histórico no Clube, vencedor, e que assim seguirá em 2020", afirmou Norberto Guimarães, vice-presidente de Relacionamento Social, durante a apresentação da equipe ni início de janeiro. 

Nomes importantes do elenco, como a goleira Yasmin, as zagueiras Sorriso e Bruna Benites e a lateral Fabi Simões (que joga como atacante no time) se mantém como pilares da equipe comandada por Maurício Salgado, que treinará as Gurias Coloradas em mais uma temporada.

(Foto: Mari Capra)

No Internacional, as jogadoras contam com contrato profissional, contrato de formação (para a base), bolsa-auxílio, parceria com escolas e universidades e assistência médica. O clube mantém um alojamento para as jogadoras maiores de 18 anos.

A estreia da equipe no Brasileiro será dia 09 de fevereiro, às 15h, contra o São José, na PUCRS em Porto Alegre.

Gurias Gremistas

No ano passado, a grande meta do Grêmio era conseguir o acesso para disputar a elite do Brasileiro em 2020. E sob o comando da treinadora Patrícia Gusmão, o objetivo foi alcançado. O Grêmio foi semifinalista da Série A2 nacional (perdendo para o Cruzeiro) com uma campanha bem satisfatória: com oito vitórias, três derrotas, 29 gols marcados e 5 sofridos.

A derrota para o Internacional no Gauchão foi doída, mas segundo a treinadora da equipe, Patrícia Gusmão, foi um momento único para a modalidade no Estado. "Nunca se mobilizou tantas pessoas para uma partida de futebol feminino aqui no Rio Grande do Sul. Estamos felizes com esse crescimento e esse apoio, mas buscamos sempre mais. Precisamos crescer, evoluir, e principalmente fazer com que nossa competição aqui no Sul fique cada vez mais competitiva, para atrair ainda mais o público", revelou às dibradoras.

Torcedores recepcionando a equipe feminina na final do Gauchão em Ijuí (Fotos: Jéssica Maldonado / Grêmio FBPA)

Nas competições de base, o Grêmio participou do Gauchão Sub-14 e Sub-16. E, pela primeira vez, o time feminino do Sub-16 participou de um Campeonato Brasileiro da categoria, após o retorno da modalidade ao clube. A competição foi disputada em dezembro de 2019, na cidade de Sete Lagoas, em Minas Gerais, e contou com a participação de 12 clubes.

Mesmo parando na primeira fase da competição de base nacional, o grande propósito foi proporcionar ao grupo uma experiência de alto nível, segundo a técnica do time, Luiza Loy. "Nossa participação foi muito importante. Estivemos ao lado de equipes referências no futebol feminino brasileiro e, inclusive, enfrentamos o time que se sagrou campeão nesta primeira edição do campeonato, o São Paulo. Vivenciamos jogos, entramos em campo em estádio grande, com vestiários oficiais, além de toda as questões que envolvem o extra-campo e a viagem, isso foi incrível".

O Grêmio também disputou o Torneio de Desenvolvimento, que faz parte da primeira etapa da Liga de Desarollo da Conmebol, que aconteceu em novembro e também marcou o ano para a base feminina. As equipes sub-14 e sub-16 viajaram até Criciúma e enfrentaram times como Chapecoense, Fluminense e Internacional. No próximo ano, o Grêmio seguirá com o trabalho no futebol feminino de base, por meio da Escola de Futebol, nas categoria sub-14 e sub-16, e expandirá para a  sub-12.

Para este ano, o tricolor gaúcho promoveu uma grande reformulação na equipe principal. Ao contrário da temporada passada, quando o Grêmio chegou a contar com quase 40 atletas no elenco, em 2020 o grupo foi reduzido para aproximadamente 28. Com o término do contrato, 14 atletas foram dispensadas da equipe.

Reapresentação do elenco gremista (Foto: Morgana Schuh / Grêmio FBPA)

"Optamos por essa reformulação para ter um melhor aproveitamento das atletas durante o ano, já que no ano passado não utilizamos muitas delas por lesões, o que dificultou o rendimento da equipe em jogos decisivos", disse o diretor de futebol feminino, Julio Tittow, o Yura.

O processo de remontagem do time para a série A1 ainda está em andamento e o primeiro nome anunciado pelo clube nos últimos dias foi da lateral Sinara, de 22 anos. A jogadora já defendeu o Kindermann por três temporadas, onde foi tricampeã estadual e conquistou seu maior título até então, a Copa do Brasil. No mesmo ano, teve a primeira passagem pela Seleção Brasileira Sub-20. Atuou também pelo Iranduba, conquistando mais três vezes o estadual amazonense e disputando a Libertadores em 2018.

"Os reforços da equipe estão chegando, já contratamos 6 nomes que logo devem ser anunciados e dar ainda mais qualidade ao grupo. Não seremos uma equipe de grandes destaques individuais, mas com certeza teremos uma equipe competitiva", revelou ao blog a treinadora Patrícia Gusmão, que destaou também a a permanência da zagueira Ana Alice e de Karina (artilheira da A2), além de Marta, Eudimila, Gisseli, Mariza, todas que compõem o elenco da seleção brasileira Sub-20.

Patrícia Gusmão inicia a pré-temporada com elenco gremista (Foto: Jéssica Maldonado / Grêmio FBPA)

Nesta temporada, as meninas do Grêmio continuarão alojadas em Gravataí e jogando no Vieirão. "Gravataí é a nossa casa. Somos uma das poucas equipes do Brasil que tem um CT próprio, só para o futebol feminino, e vamos utilizar essa estrutura e fazer valer o fator local neste campeonato", revelou a técnica.

Com contratos profissionais com as atletas desde 2018, o Grêmio inicia o ano buscando se firmar de vez no cenário do futebol feminino. A estreia da equipe no Brasileiro será no dia 08 de fevereiro, às 17h, em casa, diante do Minas ICESP. "As expectativas são boas. Sabemos o quanto esse campeonato será difícil e nosso principal objetivo é consolidar o Grêmio entre as melhores equipes do Brasil", concluiu Patrícia.

Sobre as autoras

Renata Mendonça é jornalista, são-paulina, e apaixonada por esporte desde que se conhece por gente. Foi em um ~dibre desses da vida que conseguiu unir trabalho e paixão sendo jornalista esportiva. Hoje, sua luta é para que mais mulheres consigam ocupar esse espaço. Angélica Souza é publicitária, de bem com a vida e tem um senso de humor que, na maioria das vezes, faz as pessoas rirem. Alucinada por futebol - daquelas que não pode ver uma bola que já sai chutando - sabe da importância e responsabilidade de ser uma mulher com essa paixão. Nas costas, gosta da 10, e no peito, o coração é verde e branco e bate lá na Turiassú. Roberta Nina é aquariana por essência, são-paulina por escolha e jornalista de formação. Tem por vocação dar voz às mulheres no esporte.

Sobre o blog

Futebol não é coisa de mulher. Rugby? Vocês não têm força para jogar... Lugar de mulher é na cozinha, não no campo, na quadra, na arquibancada. Já ouviu isso muitas vezes, né?! Mas o ~dibradoras surgiu para provar justamente o contrário. Mulher pode gostar, entender e praticar o esporte que quiser. E quem achar que não, a gente ~dibra ;)

Dibradoras