PUBLICIDADE
Topo

Dibradoras

Co-irmão do Kindermann: a história do Napoli, que disputa o título da A2

Dibradoras

29/01/2021 04h00

Foto: Reprodução/Instagram @napolicacadorense

A finalíssima da Séria A2 (segunda divisão) do Campeonato Brasileiro Feminino coloca mais uma vez a cidade de Caçador em evidência. Após ver o Avaí/Kindermann ser vice-campeão da A1 em 2020, chegou a vez do município de Santa Catarina, com pouco mais de 79 mil habitantes, torcer pelo Napoli. O rival pelo título é o Botafogo, e o jogo da volta acontece neste domingo, às 16h, no estádio Nilton Santos, no Rio de Janeiro.

O placar de 2 a 1 na partida de ida – com dois gols de Malu – aumentou a invencibilidade do Napoli na competição para oito vitórias e quatro empates em 12 jogos. Para ficar com o título inédito, basta um empate. É uma campanha histórica de uma equipe que surgiu de uma necessidade coletiva e se mostrou promissora já no seu primeiro ano de vida.

Projeto

Como em uma família que projetou seus sonhos no filho mais velho, mas viu no mais novo tanto potencial quanto, a história do Napoli se mistura com a do Kindermann. Fundado em 1974, um ano antes do Kindermann, o Napoli se consolidou na cidade de Caçador disputando competições amadoras no futebol masculino.

Sem planos para incluir o feminino em seus projetos, o filho caçula acompanhava a ascensão do irmão mais velho no cenário nacional. Salézio Kindermann, homem forte do esporte local, colecionava títulos com o futsal masculino do Kindermann até decidir trabalhar somente com mulheres.

Créditos: Andrielli Zambonin/Kindermann

"Eu era goleiro no futsal, aí decidi com os meus amigos que jogavam comigo a montar a Sociedade Esportiva Kindermann, em 1975. Chega em 2004 eu digo 'chega, não quero mais saber de futebol', e me vem um maluco lá do Espírito Santo com um time inteiro de futsal feminino, incluindo Gabi Zanotti (hoje atleta do Corinthians). Eu me apaixonei por aquelas meninas. Ganhamos tudo com elas. Em 2008 eu pego esse time e levo para o campo. Na primeira Copa do Brasil ficamos em 3º lugar. Aí de lá para cá são 11 conquistas de estadual, dois vices de Brasileiro (2014 e 2020) e o título da Copa do Brasil de 2015", conta Salézio.

No percurso, uma tragédia fez o senhor Salézio novamente desistir de trabalhar com o futebol. Foram dois anos de terapia intensa para superar o pesadelo do dia 11 de dezembro de 2015, quando o homem forte do Kindermann viu um ex-funcionário seu fazer refém com uma arma suas duas filhas, sobrinhos e assassinar o treinador do seu time. E aí que entra o Napoli trazendo toda aquela esperança que um novo filho traz a uma família. "Foi a pior fase da minha vida, eu ia perder minhas duas filhas. Para mim, nada mais fazia sentido. Minha família não queria mais que eu trabalhasse com futebol, mas eles me viam cabisbaixo, sem ânimo para nada e em 2017 eu decidi voltar", diz o presidente.

Desenvolvimento

Enquanto o Kindermann retomava suas atividades em 2017, a diretoria do clube foi informada pela CBF que o Campeonato Catarinense daquele ano precisaria de mais uma equipe para poder acontecer – o regulamento exigia quatro times, e havia apenas Kindermann, Criciúma e Chapecoense – e que o vencedor teria vaga garantida na A2 do Brasileiro. Com um elenco recheado de 38 atletas, a solução foi dividir o grupo e criar o time feminino do Napoli.

Créditos: Andrielli Zambonin/Napoli

"Estávamos no meio do Campeonato Brasileiro e veio esse comunicado da CBF. Fomos falar com o Rodrigo Schmitz (presidente do Napoli) se poderíamos usar o Napoli para jogar futebol feminino. Teríamos um CNPJ e um estatuto diferente porque não poderíamos colocar uma segunda equipe do Kindermann. Então fomos para a competição com duas equipes de Caçador", explica Jonas Estevão, responsável pelo time feminino do Napoli, mas também diretor de futebol do Kindermann e velho conhecido de Salézio.

Já na sua primeira participação em uma competição feminina, o Napoli conquistou o vice-campeonato estadual em uma final com o próprio Kindermann e herdou a vaga para a Série A2 do Campeonato Brasileiro Feminino, já que o "rival" tinha presença garantida na A1.

O intercâmbio entre atletas também envolvia membros da comissão técnica. Em 2017, Carine Bosetti estava como preparadora física do Kindermann, clube que defendeu entre 2013 e 2015, e recebeu o convite para assumir o "irmão caçula" visando a disputa do Brasileiro A2. Começava ali o projeto profissional de uma garota que se decepcionou com o futebol enquanto jogadora (era zagueira e lateral) e assumiu uma aposentadoria com 22 anos.

Créditos: Reprodução/Instagram @anapolicacadorense

"Eu me frustrei com a realidade do futebol feminino, valorização. Fui para o Mundial Sub-17, tive vivência com a seleção e voltei do Mundial já sabendo que eu precisava estudar e usaria o esporte com a bolsa de estudos. Eu não era uma estrela, mas era uma boa jogadora, comprometida, inteligente, cuidava do meu próprio treino e alimentação. Sempre fui de analisar as situações de jogo, tentar entender o que estava acontecendo. Parei no meu auge e me interessei pela área técnica. Era uma forma de devolver para o futebol, para o futsal o que eu tinha recebido e que fez toda a diferença na minha vida", aponta Carine.

A equipe não foi bem na sua estreia em competições nacionais e caiu ainda na fase de grupos da A2 de 2018. Carine, então, deixou o comando técnico do clube para seguir seu trabalho concursado no município em projetos esportivos, como escolinhas de futebol, mas voltou a ser treinadora do time em 2019, em mais um vice-campeonato estadual.

"Na minha primeira passagem era uma estrutura totalmente diferente, sem projeção. Já na segunda, eu tive um mês de trabalho com as meninas e conseguimos o acesso para 2020. Em 2020 aí sim eu falo que foi um trabalho mais efetivo, direcionado. Um grupo novo, um ano atípico, mas que mesmo assim trabalhamos muito", diz a técnica de 30 anos.

Acesso

Quatro anos depois de sua fundação, o Napoli vive o seu auge. O acesso à elite chega com uma campanha invicta, 29 gols a favor e nove sofridos e a vantagem de empatar no jogo da volta na grande decisão – caso perca por um gol de diferença, a disputa vai para os pênaltis.

"O Napoli é um grupo jovem, uma equipe unida, onde as atletas olham na mesma direção, têm o mesmo objetivo. Isso está muito claro! Elas acreditam muito no trabalho e se entregam em campo. Em relação a parte tática é uma equipe que joga com intensidade, aposta muito na marcação intensa, na recuperação da bola após perda, mas principalmente é uma equipe veloz que consegue verticalizar o jogo e buscar o gol o tempo inteiro", explica a técnica Carine.

E lembra da família que mencionamos no início? Para Salézio, é realmente esse o segredo do sucesso do seu filho mais novo. "Você precisa ver a união dessas meninas. Quando elas fazem gol elas vão tudo abraçar a treinadora. Chega me arrepiar. Eram meninas que ninguém conhecia, que não apareciam e eu falei que elas tinham que jogar, porque jogadora só é jogadora se jogar. A hora que você é titular você vai se aperfeiçoando. Elas estão juntas há praticamente 4 anos porque algumas jogavam no Kindermann. Elas têm propostas maiores para sair do clube, mas querem ficar com a gente", diz o mandatário.

"Temos sempre que tratar as atletas como seres humanos que estão buscando sonhos. Por meio do clube, elas vão sentir que a gente está ali por elas, que queremos o melhor, vê-las crescer. Conseguimos colocar isso na cabeça delas. Há uma energia muito boa entre comissão e atletas, procuramos sempre trabalhar com a verdade e do fundo do coração transmitir para elas que queremos que elas evoluam, apareçam. Minha experiência como atleta contou muito, de saber lidar, de saber que ninguém é perfeito. Procuramos entregar nosso melhor, trabalhar questões positivas de jogo deixando as atletas querendo mais e acreditado no trabalho", concluí Carine.

Futuro

A elite já é uma realidade tanto para o irmão mais velho quanto para o mais novo. Por isso, o ano de 2021 vai ser ainda mais desafiador para quem gere essa família. Os dois times se revezam na estrutura de cinco locais de treinamento na cidade.

"Eu sempre penso no melhor. Eu não gosto de perder, não faço nada por fazer. Faço para brigar, para subir. O trabalho é sério, é profissional. Temos duas Libertadores com o Kindermann neste ano, estamos investindo pesado por lá. Já com o Napoli o primeiro objetivo é se manter na Série A. Isso acontecendo, vamos seguindo", aponta Salézio.

"É um grande orgulho para Caçador. Confesso que eu não esperava, mas que eu sabia que esse grupo tinha capacidade para isso, que íamos trabalhar para isso. É momento de aproveitar e ficar orgulhoso por tudo o que já construímos e podemos construir pela frente", afirma Camila, que projeta para seu futuro a mesma ascensão que seu time vem tendo.

"Eu quero ser reconhecida por ser uma grande técnica. Existe sim um olhar diferente que vem de fora por eu ser mulher, mas eu não quero ser vista pela questão de gênero. O gênero não define sua competência. Quero ser melhor a cada dia como pessoa, como técnica e como gestora", conclui.

Foto: Andrielli Zambonin/Napoli

E se a ideia é permanecer na elite do campeonato, o Napoli pode seguir mais um passo do "irmão mais velho": "O Napoli e o Kindermann caminham de mãos dadas. A gestão é a mesma, o que difere é elenco e comissão técnica. E assim vai permanecer. Se vier uma parceria, como é a do Avaí/Kindermann, será bem-vinda. O custo dessas competições é altíssimo. Havendo oportunidade, sendo bom para o clube e autorizado pela CBF, não negamos de ter parceria", relata Jonas Estevão.

Por enquanto, parceria mesmo só entre os irmãos dessa família construída por Salézio Kindermann. O ano perfeito para um pai coruja. "Sabemos que será difícil (se manter na A1), mas a gente tem uma coisa que eles (outros times) não têm: união, amizade e alegria de jogar futebol. Somos uma família", finaliza o presidente.

*Reportagem de Mariana Pereira

Sobre as autoras

Angélica Souza é publicitária, de bem com a vida e tem um senso de humor que, na maioria das vezes, faz as pessoas rirem. Alucinada por futebol - daquelas que não pode ver uma bola que já sai chutando - sabe da importância e responsabilidade de ser uma mulher com essa paixão. Nas costas, gosta da 10, e no peito, o coração é verde e branco e bate lá na Turiassú. Renata Mendonça é apaixonada por esporte desde que se conhece por gente. Foi em um ~dibre desses da vida que conseguiu unir trabalho e paixão sendo jornalista esportiva. Hoje, sua luta é para que mais mulheres consigam ocupar esse espaço. Roberta Nina é aquariana por essência, são-paulina por escolha e jornalista de formação. Tem por vocação dar voz às mulheres no esporte.

Sobre o blog

Futebol não é coisa de mulher. Rugby? Vocês não têm força para jogar... Lugar de mulher é na cozinha, não no campo, na quadra, na arquibancada. Já ouviu isso muitas vezes, né?! Mas o ~dibradoras surgiu para provar justamente o contrário. Mulher pode gostar, entender e praticar o esporte que quiser. E quem achar que não, a gente ~dibra ;)

Dibradoras