Topo
Dibradoras

Dibradoras

São Paulo empata com Cruzeiro em BH e é campeão Brasileiro Feminino A2

Renata Mendonça

25/08/2019 15h54

Ottilia, autora do gol tricolor (Foto: dibradoras)

Por Renata Mendonça, de Belo Horizonte

O São Paulo conquistou o título da série A2 do Campeonato Brasileiro feminino neste domingo ao empatar com o Cruzeiro por 1×1 no Sesc Venda Nova em Belo Horizonte, com gols de Duda para o Cruzeiro e Ottilia para o time paulista. A equipe tricolor já tinha uma larga vantagem construída no primeiro jogo no Pacaembu, que terminou em goleada para as paulistas por 4 a 0.

Esse é o primeiro título nacional da equipe principal do São Paulo desde que o clube retomou o projeto do futebol feminino. O clube já tinha garantido vaga na primeira divisão do Brasileiro ao chegar às semifinais e termina a campanha da A2 com 10 vitórias em 13 jogos, 42 gols marcados e somente quatro gols sofridos.

Vale ressaltar também o trabalho feito pelo Cruzeiro nesta temporada, com a montagem de um elenco em cima da hora (fevereiro para estrear em março), mas que contou com as pessoas certas para obter sucesso. A supervisora do futebol feminino do clube, Barbara Fonseca, foi trazida do América-MG após o bom trabalho que fez por lá, e conseguiu em tempo recorde criar um time que fizesse uma campanha quase impecável no Brasileiro: 13 jogos e 10 vitórias.

Cruzeiro, vice-campeão da A2 do Brasileirão (Foto: dibradoras)

"A partir do momento que eles me chamaram pra montar o departamento de futebol feminino, me deram total liberdade para montar uma comissão a minha escolha e fazer a montagem da equipe. Acho que o sucesso do projeto também se dá por isso, por terem me deixado trabalhar com liberdade", afirmou a dirigente às dibradoras.

Agora, o Cruzeiro luta para poder disputar o Campeonato Mineiro feminino. A competição está em risco e pode não acontecer, mas o clube tenta articular um movimento com as equipes mineiras para garantir a existência do torneio – se não acontecer, as jogadoras ficarão sem calendário até o ano que vem.

A grande final

O Cruzeiro entrou em campo precisando marcar quatro gols para levar a decisão para os pênaltis. As Cabulosas contaram com o apoio da torcida que marcou presença no Sesc Venda Nova, estádio onde o time mineiro estava invicto na competição.

E foi apostando no contra-ataque que o Cruzeiro foi para cima do São Paulo e conseguiu abrir o placar em um pênalti sofrido por Isa Leone após falta da zagueira tricolor, Bruna. Duda, a artilheira do time mineiro, cobrou o penal e a goleira Carla do São Paulo defendeu, mas a bandeirinha mandou voltar a cobrança, alegando que a goleira se adiantou. Na segunda chance, Duda abriu o placar.

Torcida cruzeirense presente no Sesc Venda Nova (Foto: dibradoras)

Depois do gol, o Cruzeiro saiu mais para o ataque e quase no fim da primeira etapa, Kim perdeu uma grande chance dentro da área.

Já no segundo tempo, o São Paulo começou melhor. Yaya deu um chute de fora da área e exigiu uma bela defesa da goleira Camila. Na sequência da jogada, aos 7 minutos, Ottilia empatou a partida após ótima cobrança de escanteio de Ary Borges e um belo cabeceio da camisa 27.

Aos 33 minutos, Vanessa foi lançada rumo ao ataque tricolor, mas errou o alvo, cara a cara com a goleira Carla. Ainda assim, a bandeira sinalizou impedimento e a equipe do Cruzeiro não gostou da marcação – o treinador Hoffmann Tulio chegou a levar cartão amarelo por reclamação.

No segundo tempo, o São Paulo controlou muito bem a partida e as cruzeirenses pouco atacaram. A partida acabou empatada e com as paulistas levantando o troféu do Campeonato Brasileiro da A2.

Caminho do São Paulo até o título

Chama a atenção no São Paulo a juventude do time, que tem média de idade de 21 anos, considerando as atletas relacionadas para as finais. Ao longo da temporada, a equipe perdeu algumas de suas atletas  mais experientes por lesão – a atacante da seleção brasileira, Cristiane, pouco conseguiu entrar em campo na campanha – e foi se reinventando para conquistar o tão sonhado título.

Foto : Mauro Horita

Alguns dos principais destaques do time são a artilheira Valéria, de 20 anos, que tem seis gols na temporada, além de Ary, camisa 10 e capitã de 19 anos, e Yayá, meio-campista de 17 anos convocada para a seleção brasileira principal nesta semana.

+ Com base da Copa, Pia chama jovens de Corinthians e SPFC na 1ª convocação

"O plano era montar um elenco jovem com meninas que já tinham conquistado algumas coisas com camisas que não tinham tanta projeção nacional. Contratamos algumas jogadoras do Sport, que teve o fim de um projeto, do Centro Olímpico, que passaram às vezes por seleção de base. Então a minha grata surpresa foi que a gente conseguiu ter maturidade dentro de campo com um time formado por meninas de 19 e 20 anos, que é o caso da maioria", afirmou às dibradoras Amauri Nascimento, supervisor do futebol feminino do São Paulo.

(Foto: dibradoras)

O técnico Lucas Piccinato ressalta a mescla de jogadoras experientes com algumas mais jovens e destaca a força do grupo para conseguir o título nesta temporada.

"Acho que é uma força coletiva, um grupo em que todas as atletas têm uma dedicação e um empenho muito grande pra fazer esse time chegar onde está chegando. Cada jogo a gente tem uma individualidade aparecendo, mas o grupo é muito forte, o coletivo é muito forte", afirmou.

"Acho que as lesões atrapalharam o processo, mas desde o início a gente montou um elenco com 31 atletas mesclando juventude e experiência para a gente poder buscar os objetivos."

Foto: Divulgação São Paulo FC

Mesmo sem ter acesso à estrutura profissional ou de base do clube, a equipe feminina conseguiu um sucesso que pode até ser chamado de "inesperado" nesta primeira temporada. O grande objetivo do São Paulo no ano era o acesso à primeira divisão, e o título seria uma cereja do bolo, dado que o investimento ainda não veio tão forte em 2019.

As jogadoras passaram a temporada treinando no gramado sintético utilizado pelos sócios do clube e também dividindo a academia com os associados. Ainda assim, os planos do São Paulo agora envolvem um investimento maior para melhorar a estrutura para as atletas.

No jogo de hoje, por exemplo, o time feminino do tricolor entrou em campo com o patrocínio pontual do Banco Inter e Urbano Alimentos, marcas que apoiam o time masculino ao longo da temporada.

ESCALAÇÕES

O Cruzeiro foi a campo com: Camila, Isa Leone, Pires, Lia, Janaína, Isabela, Nathalia, Duda, Vanessa, Miriã e Kim. O técnico é Hoffmann Túlio.

O time do São Paulo entrou na partida com: Carla, Andressa, Bruna, Thaís, Natane, Cris, Yaya, Ary, Jaqueline, Ottilia e Valéria. O técnico é Lucas Piccinato.

Sobre as autoras

Renata Mendonça é jornalista, são-paulina, e apaixonada por esporte desde que se conhece por gente. Foi em um ~dibre desses da vida que conseguiu unir trabalho e paixão sendo jornalista esportiva. Hoje, sua luta é para que mais mulheres consigam ocupar esse espaço. Angélica Souza é publicitária, de bem com a vida e tem um senso de humor que, na maioria das vezes, faz as pessoas rirem. Alucinada por futebol - daquelas que não pode ver uma bola que já sai chutando - sabe da importância e responsabilidade de ser uma mulher com essa paixão. Nas costas, gosta da 10, e no peito, o coração é verde e branco e bate lá na Turiassú. Roberta Nina é aquariana por essência, são-paulina por escolha e jornalista de formação. Tem por vocação dar voz às mulheres no esporte.

Sobre o blog

Futebol não é coisa de mulher. Rugby? Vocês não têm força para jogar... Lugar de mulher é na cozinha, não no campo, na quadra, na arquibancada. Já ouviu isso muitas vezes, né?! Mas o ~dibradoras surgiu para provar justamente o contrário. Mulher pode gostar, entender e praticar o esporte que quiser. E quem achar que não, a gente ~dibra ;)

Mais Dibradoras