Topo
Dibradoras

Dibradoras

Final do Brasileiro feminino entre Cruzeiro e São Paulo será no Mineirão

Renata Mendonça

16/08/2019 15h17

Foto: Divulgação

A decisão do Campeonato Brasileiro, série A2, será no estádio do Mineirão. A partida acontecerá no domingo, dia 25 de agosto, às 14h, entre Cruzeiro e São Paulo e terá transmissão da TV Bandeirantes.

Será a primeira vez que as jogadoras do Cruzeiro terão a chance de jogar no estádio "oficial" do clube. Antes, os jogos das mulheres aconteciam no Sesc Venda Nova, que tem capacidade para apenas 3 mil pessoas. Para a partida que definiria o título, porém, o clube se mobilizou e conseguiu um acordo com a Polícia Militar para viabilizar a realização do jogo delas no Mineirão.

O problema era uma corrida agendada para acontecer justamente no domingo, 25 de agosto, no entorno do estádio e com a organização do maior rival cruzeirense, o Atlético-MG. Para manter o horário reservado para a transmissão da TV (14h), seria necessário um efetivo policial maior que garantisse a segurança dos torcedores do Cruzeiro na chegada para a partida – a corrida acontece de 8h até 11h no domingo. O clube conseguiu a liberação da polícia e, nesta sexta-feira, confirmou o local da final para o Mineirão.

O Cruzeiro teve melhor campanha do que o São Paulo na série A2 e, por isso, decidirá o título em casa. São 10 vitórias em 11 jogos para o time mineiro, enquanto o São Paulo tem 9 vitórias nas 11 partidas que disputou. Além disso, a equipe feminina teve um bom apoio do público nas partidas de mata-mata do Brasileiro, com direito até mesmo a comemoração com saudação viking junto com as jogadoras.

Foto: Divulgação Cruzeiro

O primeiro jogo entre as duas equipes acontece neste domingo (18) no Pacaembu. A ideia do São Paulo também tinha sido levar as mulheres para jogar no Morumbi esta final, mas a diretoria não conseguiu aprovação da CBF para a mudança de data da partida para sábado.

Como o time masculino joga contra o Ceará no Morumbi no domingo às 16h, não seria possível fazer o jogo feminino às 14h, no horário da transmissão da Band. O São Paulo sugeriu, então, fazer a final feminina no sábado no estádio oficial do clube, mas a CBF priorizou o acordo com a TV (que, diferentemente do que acontece no futebol masculino, não paga pelos direitos de transmissão do torneio das mulheres).

Sendo assim, no caso da equipe paulista, os torcedores terão que "se dividir" para apoiar a equipe feminina e masculina. Com a estreia de Daniel Alves confirmada para esta partida contra o Ceará, a expectativa é de que os torcedores lotem o Morumbi para prestigiar o mais novo reforço. O conflito de horários vai acabar prejudicando a presença do público no Pacaembu para torcer pelas mulheres na final.

De todas as formas, é extremamente importante que o Cruzeiro tenha conseguido mandar o jogo no Mineirão para proporcionar uma decisão digna para as mulheres. Uma final com um estádio de Copa do Mundo, com um gramado de grande qualidade e com o espetáculo dentro de campo garantido pela qualidade dos dois times que disputarão o título.

Sobre as autoras

Renata Mendonça é jornalista, são-paulina, e apaixonada por esporte desde que se conhece por gente. Foi em um ~dibre desses da vida que conseguiu unir trabalho e paixão sendo jornalista esportiva. Hoje, sua luta é para que mais mulheres consigam ocupar esse espaço. Angélica Souza é publicitária, de bem com a vida e tem um senso de humor que, na maioria das vezes, faz as pessoas rirem. Alucinada por futebol - daquelas que não pode ver uma bola que já sai chutando - sabe da importância e responsabilidade de ser uma mulher com essa paixão. Nas costas, gosta da 10, e no peito, o coração é verde e branco e bate lá na Turiassú. Roberta Nina é aquariana por essência, são-paulina por escolha e jornalista de formação. Tem por vocação dar voz às mulheres no esporte.

Sobre o blog

Futebol não é coisa de mulher. Rugby? Vocês não têm força para jogar... Lugar de mulher é na cozinha, não no campo, na quadra, na arquibancada. Já ouviu isso muitas vezes, né?! Mas o ~dibradoras surgiu para provar justamente o contrário. Mulher pode gostar, entender e praticar o esporte que quiser. E quem achar que não, a gente ~dibra ;)

Mais Dibradoras