Topo
Dibradoras

Dibradoras

Grandes de SP se unem em ação de combate à violência contra a mulher

Renata Mendonça

17/01/2019 04h00

(Foto: Reprodução)

Nesta quinta-feira, os três grandes clubes da cidade de São Paulo selaram uma parceria inédita e histórica pelo combate à violência contra a mulher. Corinthians, Palmeiras e São Paulo lançaram juntos um manifesto para marcar a adesão dos três ao programa "Tem Saída", que oferece recolocação no mercado de trabalho para mulher vítimas de violência doméstica.

"No Brasil, a cada 7 segundos uma mulher é agredida. A cada duas horas, uma mulher é assassinada. São corinthianas, palmeirenses e são-paulinas entrando para estatísticas que nos deixam na parte de cima de uma tabela que não queríamos estar: a quinta posição no ranking mundial de feminicídio. Uma posição inaceitável diante da qual precisamos nos posicionar e manifestar nosso repúdio", diz o texto assinado por Corinthians, Palmeiras e São Paulo.

Corinthians lançou campanha "respeita as minas" em 2018 (Foto: Agência Corinthians)

"Os três maiores clubes de São Paulo deixam suas diferenças de lado para que todas as mulheres, independente do time do coração, possam ser independentes financeiramente do seu agressor rompendo com o ciclo de violência. Por isso, oficialmente, os três clubes tornam-se parceiros do programa Tem Saída, criado pela Prefeitura de São Paulo e pelo poder judiciário".

O manifesto foi redigido por mulheres que trabalham nos três clubes. O texto ainda termina com uma convocação a outras empresas para se juntarem à causa e aos torcedores para apoiá-la.

"Esperamos que cada vez mais empresas sigam este exemplo e unam-se à causa. Que a nossa união traga esperanças para as mulheres e as encoraje a denunciar seus agressores. E que nossos torcedores sigam respeitando suas companheiras, mães, filhas e amigas. Porque todos nós sabemos que, quando acreditamos, conseguimos virar o jogo. Que o futebol, mais do que ser sobre vitórias, é sobre esperança. E que, quando damos as mãos e entoamos o mesmo grito, somos capazes de tudo. Tudo que precisamos é do apoio de nossas torcidas."

São Paulo ouviu torcedoras em 2018 (Foto: dibradoras)

Com a assinatura firmada nesta quinta-feira na Prefeitura de São Paulo, os três clubes se comprometeram utilizar o banco de currículos das mulheres cadastradas no programa – todas vítimas de violência – prioritariamente na hora da seleção de candidatos para uma vaga.

Na prática, o que acontece é o seguinte: por exemplo, o São Paulo está com uma vaga aberta no setor administrativo. Antes mesmo de anunciar a vaga publicamente, o clube se compromete a acessar o banco de dados das mulheres cadastradas no "Tem Saída" para ver se ali encontra alguma candidata com o perfil para o posto em aberto. A ideia é facilitar a recolocação delas no mercado de trabalho, já que uma das grandes dificuldades que ainda fazem com que mulheres mantenham seus relacionamentos com maridos violentos é a dependência financeira.

"O trabalho é um escudo de proteção da mulher contra a violência. A conquista deste espaço faz com que ela se sinta importante e capaz de realizar algo. Quando a mulher começa a trabalhar, percebe o poder que tem e que nada é impossível. A independência financeira é imprescindível", afirmou Maria Gabriela Manssur, promotora do Grupo de Atuação Especial de Enfrentamento à Violência Doméstica do Ministério Público do Estado de São Paulo, à agência Brasil, em agosto de 2018, quando a prefeitura divulgou a criação do programa.

União inédita

Infelizmente, ainda é bastante raro ver clubes de futebol deixando a rivalidade de lado e se unindo por causas importantes. Principalmente quando o assunto está relacionado ao público feminino. São muito escassas as ações de times de futebol que tenham como foco as torcedoras – que, na maioria das vezes (salvo o 8 de março) são ignoradas nas iniciativas pensadas por eles.

Então é de se admirar – e de se comemorar – que, desta vez, Corinthians, Palmeiras e São Paulo tenham deixado as diferenças de escanteio para abraçarem uma causa tão essencial (não só para o futebol, mas também para a sociedade). O Santos não foi incluído porque a iniciativa é da prefeitura de São Paulo.

Foto: Forza Palestrina

O time do Morumbi já havia dando bons indícios de que iria tomar atitudes nesse sentido quando lançou o manifesto "O SPFC se importa" em março do ano passado, quando reconhecia as violências e preconceitos sofridos pelas mulheres dentro e fora do futebol e se comprometia a fazer reuniões com suas torcedoras e abrir uma espécie de "ouvidoria" para entender como poderia acolhê-las melhor no clube. A partir daí, veio a iniciativa de participar do "Tem Saída" e também de abrir o Morumbi para oferecer auxílio jurídico e psicológico a mulheres vítimas de violência.

Posteriormente, a prefeitura de São Paulo convidou os três clubes para participar do programa, e todos eles se articularam de maneira conjunta para fortalecer a causa. O manifesto será divulgado simultaneamente pelos três para gerar um impacto maior em todas as torcidas.

Na Itália, já aconteceu de todos os clubes da Série A fazerem uma campanha conjunta de combate à violência contra a mulher em novembro do ano passado. Por aqui, infelizmente essa união ainda é exceção. Os clubes costumam fazer ações isoladas no Dia da Mulher (muitas delas sem grandes propósitos, apenas distribuindo flores) e nada mais. O que falta para eles é enxergar o imenso potencial que têm, como times de futebol que arrastam milhões de apaixonados, na conscientização das pessoas para causas tão importantes como essa.

Como diz o manifesto divulgado hoje,  "o futebol, mais do que ser sobre vitórias, é sobre esperança. (…) Quando damos as mãos e entoamos o mesmo grito, somos capazes de tudo", então que mais times sigam o exemplo de Corinthians, Palmeiras e São Paulo e reforcem esse coro pelo fim da violência contra a mulher. 

Leia o manifesto na íntegra:

CARTA ABERTA AOS TORCEDORES E TORCEDORAS

Quem frequenta o estádio, mais do que ninguém, sabe que o futebol não é só um esporte. São as arquibancadas que unem pessoas de todas as classes sociais, escolaridades, origens e etnias. E é para essas mesmas arquibancadas que nós, Corinthians, Palmeiras e São Paulo, fazemos nosso apelo.
No Brasil, a cada 7 segundos uma mulher é agredida. A cada duas horas, uma mulher é assassinada. São corintianas, palmeirenses e são-paulinas entrando para estatísticas que nos deixam na parte de cima de uma tabela que não queríamos estar: a quinta posição no ranking mundial de feminicídio. Uma posição inaceitável diante da qual precisamos nos posicionar e manifestar nosso repúdio.

Os três maiores clubes de São Paulo deixam suas diferenças de lado para que todas as mulheres, independente do time do coração, possam ser independentes financeiramente do seu agressor rompendo com o ciclo da violência. Por isso, oficialmente, os três clubes tornam-se colaboradores do programa Tem Saída, criado pela Prefeitura de São Paulo juntamente com o Ministério Público, Tribunal de Justiça, Defensoria Pública, OAB-SP e ONU Mulheres.

Esperamos que cada vez mais empresas sigam este exemplo e unam-se à causa. Que a nossa união traga esperança para as mulheres e as encoraje a denunciar seus agressores. E que nossos torcedores sigam respeitando suas companheiras, mães, filhas e amigas.
Porque todos nós sabemos que, quando acreditamos, conseguimos virar o jogo. Que o futebol, mais do que ser sobre vitórias, é sobre esperança. E que, quando damos as mãos e entoamos o mesmo grito, somos capazes de tudo.

O que precisamos agora é do apoio de nossas torcidas. Só com a força de vocês entraremos em campo com a certeza de que #TemSaída.

Para saber mais sobre o programa acesse o site www.prefeitura.sp.gov.br/desenvolvimento, ligue para o serviço telefônico da Prefeitura SP156 ou envie um e-mail para temsaida@prefeitura.sp.gov.br e acompanhe as nossas redes sociais.

Sobre as autoras

Renata Mendonça é jornalista, são-paulina, e apaixonada por esporte desde que se conhece por gente. Foi em um ~dibre desses da vida que conseguiu unir trabalho e paixão sendo jornalista esportiva. Hoje, sua luta é para que mais mulheres consigam ocupar esse espaço. Angélica Souza é publicitária, de bem com a vida e tem um senso de humor que, na maioria das vezes, faz as pessoas rirem. Alucinada por futebol - daquelas que não pode ver uma bola que já sai chutando - sabe da importância e responsabilidade de ser uma mulher com essa paixão. Nas costas, gosta da 10, e no peito, o coração é verde e branco e bate lá na Turiassú. Roberta Nina é aquariana por essência, são-paulina por escolha e jornalista de formação. Tem por vocação dar voz às mulheres no esporte.

Sobre o blog

Futebol não é coisa de mulher. Rugby? Vocês não têm força para jogar... Lugar de mulher é na cozinha, não no campo, na quadra, na arquibancada. Já ouviu isso muitas vezes, né?! Mas o ~dibradoras surgiu para provar justamente o contrário. Mulher pode gostar, entender e praticar o esporte que quiser. E quem achar que não, a gente ~dibra ;)

Mais Dibradoras