PUBLICIDADE
Topo

Brasileirão voltou: Corinthians protesta contra racismo, Santos vira líder

Dibradoras

26/08/2020 21h36

Foto: Reprodução

O Campeonato Brasileiro feminino voltou nesta quarta-feira após cinco meses de paralisação. O retorno teve a finalização da quinta rodada, interrompida em março por conta da pandemia, e foi marcada por um protesto em favor do movimento contra o racismo (#VidasNegrasImportam).

No principal jogo da rodada, que foi a reedição da final do ano passado, Corinthians e Ferroviária se enfrentaram no Parque São Jorge com as jogadoras do time alvinegro fazendo o gesto tradicional dos Panteras Negras, com os punhos cerrados para o alto. Tanto as atletas em campo, quanto as que estavam na reserva se ajoelharam durante o minuto de silêncio em homenagem às vítimas da Covid-19, marcando um posicionamento importante contra o racismo.

A Ferroviária entrou em campo para defender a liderança e a invencibilidade, enquanto o Corinthians teve interrompida a maior sequência de invencibilidade da história do Brasileiro feminino no início do campeonato, com a derrota para o São Paulo. As duas equipes construíram uma rivalidade forte no futebol feminino nos últimos anos justamente por serem protagonistas na modalidade – em 2019, Corinthians e Ferroviária disputaram a final do Brasileiro e da Libertadores, com o time de Araraquara levando a melhor no nacional e a equipe alvinegra conquistando a América.

A partida começou com o Corinthians se aproveitando muito de seu principal reforço na temporada. A meio-campista Andressinha, da seleção brasileira, assumiu a titularidade na partida desta quarta e nos primeiros minutos de jogo já mostrou que estava disposta a aproveitar a oportunidade – primeiro, cobrou falta de longe criando lance de perigo para o Corinthians, depois enfiou uma bola perfeita para Vic Albuquerque na direita, mas a atacante corintiana finalizou pra fora.

O time do técnico Arthur Elias sufocou a Ferroviária na saída de bola sem deixar a equipe do interior jogar. Isso forçava a goleira Luciana a dar chutões que acabavam com o domínio das próprias corintianas. Com 10 minutos, o Corinthians já tinha criado pelo menos três chances e tinha o controle da partida.

Foto: Rodrigo Gazzanel/Agência Corinthians

O placar foi aberto aos 18 minutos depois que Adriana arriscou de fora, a bola teve rebote e caiu nos pés de Tamires, que se livrou da marcação de três jogadoras e fez o gol para o Corinthians.

A equipe de Araraquara tentava reagir, mas não conseguia encontrar espaços. Em uma das poucas chances da Ferroviária, Aline Millene tentou chute de fora aos 25 minutos na dificuldade de infiltração na defesa do Corinthians.

Ainda antes do intervalo, houve uma bola na trave da atacante Crivelari em uma enfiada de bola perfeita de Andressinha.

No segundo tempo, logo aos 3 minutos, o Corinthians ampliou o marcador com Adriana invadindo a área pela direita e chutando sem chances de defesa para Luciana. Daí em diante, o time da casa controlou a partida e sofreu pouco com as chegadas da Ferroviária, que teve dificuldade de quebrar as linhas das adversárias.

O resultado deixa o Brasileiro ainda mais equilibrado. O Santos, que goleou o Audax por 5 a 0 também nesta quarta-feira, é o líder com 15 pontos, enquanto a Ferroviária tem 12 (perdeu a invencibilidade nesta rodada), e o Corinthians também tem essa pontuação, mas fica atrás no saldo de gols.

Foto: Rodrigo Gazzanel/Agência Corinthians

Outros jogos

Na partida que abriu esse retorno do Brasileiro feminino, o Santos recebeu o Audax na Vila Belmiro e não teve dificuldades para vencer um time jovem e que está nas últimas posições da tabela. Com Cristiane abrindo o placar, as Sereias da Vila golearam em casa. Os outros gols santistas foram anotados por Cristiane, Bia Menezes, Tainara, Thaisinha e Luana. Essa última fez sua estreia no time profissional nesta partida e ficou emocionada – e tímida – na entrevista após a partida.

 

O treinador das Sereias da Vila, Guilherme Giudice, valorizou o fato da equipe feminina jogar no estadio oficial do time santista. "Voltar a jogar na Vila é um marco pra nós, é muito bom. Claro que sem torcida, mas com o ambiente da Vila, o palco, o som que imita a torcida, tudo isso e muito importante pra gente e vale agradecer a diretoria do Santos e o Comitê de Gestão que tem feito de tudo pra que as Sereias da Vila possam jogar aqui. A gente sabe que hora ou outra vai coincidir data de jogo do masculino com feminino, mas é importante todo esforço que eles tem feito pra que a gente possa jogar na Vila e isso é muito importante pra nós", afirmou o técnico.

No outro jogo que fechou a quarta rodada, o Internacional recebeu o Flamengo/Marinha no Sesc em Porto Alegre e acabou saindo com o empate em 1 a 1. Os gols foram marcados por Flávia, para a equipe carioca, e a artilheira Byanca Brasil pela equipe colorada.

Foto: Mariana Capra

A sexta rodada já acontece no fim de semana, com as partidas tendo transmissão do MyCujoo, do Twitter – na Band, o jogo transmitido será São Paulo e Minas Brasília às 14h no domingo.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre as autoras

Angélica Souza é publicitária, de bem com a vida e tem um senso de humor que, na maioria das vezes, faz as pessoas rirem. Alucinada por futebol - daquelas que não pode ver uma bola que já sai chutando - sabe da importância e responsabilidade de ser uma mulher com essa paixão. Nas costas, gosta da 10, e no peito, o coração é verde e branco e bate lá na Turiassú. Renata Mendonça é apaixonada por esporte desde que se conhece por gente. Foi em um ~dibre desses da vida que conseguiu unir trabalho e paixão sendo jornalista esportiva. Hoje, sua luta é para que mais mulheres consigam ocupar esse espaço. Roberta Nina é aquariana por essência, são-paulina por escolha e jornalista de formação. Tem por vocação dar voz às mulheres no esporte.

Sobre o blog

Futebol não é coisa de mulher. Rugby? Vocês não têm força para jogar... Lugar de mulher é na cozinha, não no campo, na quadra, na arquibancada. Já ouviu isso muitas vezes, né?! Mas o ~dibradoras surgiu para provar justamente o contrário. Mulher pode gostar, entender e praticar o esporte que quiser. E quem achar que não, a gente ~dibra ;)

Dibradoras