PUBLICIDADE
Topo

'Para ganhar medalha, é preciso ambiente competitivo e base forte', diz Pia

Dibradoras

19/08/2020 04h00

Foto: CBF

Quando Pia Sundhage foi anunciada como técnica da seleção brasileira, muita gente esperava que dela viria a revolução tão esperada no futebol feminino brasileiro. Bicampeã olímpica com os Estados Unidos, medalhista de prata na Rio-2016 com a Suécia, a treinadora tem uma história vitoriosa na carreira e receberia a difícil missão de "transformar" a seleção após décadas de falta de investimento e descaso por parte da CBF.

Um ano após sua apresentação, Pia reconhece que ainda não vê um time com "a sua cara" no Brasil. Mas ela destaca que todas as mudanças precisam ser parte de um processo mais profundo, que vai muito além da seleção principal. A "fórmula vencedora", segundo ela, está na base. Nesta entrevista exclusiva, a sueca também falou sobre a importância de criar um ambiente mais competitivo no futebol feminino do Brasil, tanto nos clubes, quanto na seleção.

"Nós precisamos de mais competição. Competição no clube, na liga, na seleção. Nós precisamos encontrar mais jogadoras no Brasil, deveria ser difícil chegar à seleção brasileira."

Diante das experiências que teve antes, nos Estados Unidos, na Suécia e até na China, ela considera que no Brasil o jogo das mulheres ainda não é tão respeitado – mas como parte dessa mudança, Pia reconhece seu papel: "Eu vou lutar pelo futebol feminino, não só pra ganhar a medalha de ouro."

Leia os principais trechos da entrevista:

Dibradoras: Você chegou há um ano para comandar a seleção brasileira. Quais foram as principais lições que aprendeu de lá pra cá, sobre o país e sobre o futebol feminino no Brasil?

Pia Sundhage: É uma cultura muito diferente, então precisa de tempo. Na Suécia, todo mundo é muito pontual, nos Estados Unidos também. Aqui, tenho que me adaptar. Não importa se acontece agora, pode acontecer 5 minutos depois, é algo mais relaxado. É muito diferente com relação à organização. Eu deixei um emprego onde eu era técnica da seleção de base, e tudo na Suécia tem a ver com organização. É diferente aqui. É diferente dos Estados Unidos também. Entender como funciona essa organização para eu fazer meu melhor é um desafio. A língua ainda é um grande desafio também, mas estou aprendendo.

Dibradoras: Você considera que a seleção brasileira, após um ano da sua chegada, já tem "a cara da Pia"?

Pia: Não. Acho que ainda é muito cedo. Nós estivemos juntas cerca de 11 vezes e leva tempo para o time ter a minha cara. Uma lição que aprendi nesses anos é que é importante ser paciente. Quando você vê uma mudança, foque nela e enfatize isso. Nós jogamos 11 jogos e só tivemos uma derrota. Só isso já é muito importante, porque você ganha confiança, independentemente de como você joga. Tendo dito isso, acho que o setor defensivo é provavelmente o mais diferente de outros anos. E nós não estamos concedendo muitos gols, e estou muito feliz com isso. Vamos continuar a enfatizar isso para a defesa melhorar ainda mais.

Foto: Laura Zago/CBF

Dibradoras: Você sempre fala sobre a qualidade técnica das jogadoras brasileiras, mas também sempre pontuou a importância de organização e condicionamento físico. Nesse sentido, o que considera já ter melhorado na seleção?

Pia: Se você tiver uma jogadora em forma, 100% fisicamente, e ela "durar" por 90 minutos, você vai ver as ações dela iguais nos primeiros cinco minutos e nos últimos cinco minutos. No primeiro jogo dos Jogos Olímpicos e no último jogo dos Jogos Olímpicos. Ela ganha confiança e isso é contagioso. Não é só a velocidade no campo, não é só a melhora que isso vai trazer no rendimento no jogo, mas é que o time ganha confiança. Eu vi isso na Suécia e nos EUA. A Fifa apresentou um relatório físico da Copa de 2019, nós sabemos que o jogo está melhorando, evoluindo, mas a diferença de 2015 pra 2019 é muito grande no fato de que está todo mundo com melhor condicionamento físico. Então eu reforço e continuo o trabalho com o Fabio (Guerrero, preparador físico) e com o Luciano Capeli (fisiologista) porque eles são muito importantes. Nós precisamos dar esse suporte às jogadoras e garantir que estamos fazendo a coisa certa. Isso é uma coisa.

A outra coisa, quando você fala de organização, isso é um pouco complicado. Porque imagine que você tem um país com jogadoras técnicas, com estrelas. Você quer que a estrela brilhe, mas ao mesmo tempo é um equilíbrio, porque você precisa do time atrás da estrela. E agora, eu mencionei a Marta, mas Debinha teve um ótimo ano, Formiga, Luana, a Bia também estava envolvida em muitos dos nossos gols. Então já mencionei algumas jogadoras com essas características de "estrela". Nós, como comissão técnica, queremos apoiá-las para serem especiais, mas ao mesmo tempo nós precisamos ser uma equipe. E isso é um equilíbrio, acho que nós, até aqui, temos feito um bom trabalho nesse sentido. Existe um equilíbrio entre sermos criativas e sermos organizadas. Todo mundo defende, todo mundo faz parte do ataque, do plano de jogo.

Dibradoras: Quais eram suas impressões quando você assumiu esse desafio há um ano e quais são as impressões sobre ele agora?

Pia: Quando eu disse sim para esse trabalho, era muita coisa ao mesmo tempo. Mas em termos de "atitude no futebol feminino", eu tenho um sentimento de que o Brasil tenta fazer algo diferente. O que estou tentando dizer é que na Suécia, nos EUA, na China até, o jogo das mulheres, a menina que joga bola, é mais respeitada e ela está ficando mais forte. O jogo está se desenvolvendo. Claro que quando tem uma Copa do Mundo ou uma Olimpíada ali isso ajuda. Mas sinto que tem algo acontecendo no Brasil e espero poder ter um papel nisso. Porque eu já passei por isso antes, eu sei como podemos ter sucesso se nós trabalharmos juntos. Que todos respeitem o jogo das mulheres. Espero que isso aconteça aqui como aconteceu na Europa e nos Estados Unidos. Se você olhar para a América do Sul no futebol masculino e se você olhar para a Copa feminina de 2019, você tem 7 times europeus e os EUA disputando o pódio. E isso é algo que a América do Sul pode melhorar um pouco.

Pia e sua assistente sueca,Lillie Person

Dibradoras: Vendo o que aconteceu na Europa no futebol feminino, acha que o Brasil parou no tempo?

Pia: Tem gente que pode ter ficado surpresa com a Holanda na final da Copa em 2019. Nós não ficamos na Europa, porque nós vimos essa seleção na base. A Eurocopa sub-20, outros torneios sub-17, sub-15, e nós tivemos torneios de desenvolvimento. Quando a Suécia era um dos melhores times, no começo, a Suécia ganhava de todo mundo. E isso não acontece mais. Porque o futebol feminino se desenvolveu em outros lugares. São países que investiram na base. Um país como a Espanha fez um bom trabalho com as seleções de base, talvez elas estejam na final em 2023. Isso é obviamente uma fórmula vencedora. Você tem que organizar a base, monitorar e desenvolver jogadoras na base. Foi isso que a Europa fez por mais de 10 anos.

Se você quer ganhar, não só se quiser ganhar medalha, mas se quer ter um futebol feminino forte, você precisa de um ambiente competitivo. Aquela jovem menina precisa ter algo para almejar, para sonhar. Se você quer competir no nível mais alto, você precisa enfrentar diferentes escolas de futebol. Num clube de base, você vai jogar contra a mesma escola de futebol sempre, o futebol técnico do Brasil, mas você nunca vai ter enfrentado a escola americana, a escola sueca. Ou você não precisa nem ir tão longe, você vai para o Chile, para a Venezuela. Eles não jogam o mesmo tipo de futebol. Essa experiência é muito importante para a formação da jogadora. Viver isso com o sub-15, o sub-17, o sub-20, e aí depois ela vai chegar na Copa do Mundo. Ela terá tanta experiência, que saberá como se comportar. Então o país precisa de um sistema forte e competitivo de clubes, mas também dessa experiência internacional.

Dibradoras: Uma das críticas que fazem ao seu trabalho é por você ter mantido a mesma comissão técnica do antigo treinador e também por não 'renovar' a seleção com nomes diferentes. O que acha disso?

Pia: Acho que isso é uma força, na verdade. Nos EUA, eu mantive também a comissão técnica e adicionei um ou dois assistentes. Aqui, eu trouxe duas pessoas. E acho que isso é algo importante porque aquela equipe conhece a cultura daquele país, eu não conheço. Eu poderia ter trazido minha própria equipe técnica, seriam homens e mulheres suecos. Mas eles provavelmente teriam tantas perguntas, como eu tinha no começo. Então pra eu poder trazer algo diferente, eu mantenho a equipe e estou feliz com ela, estou confortável de trabalhar com as pessoas que trabalharam com Vadão. Eu eu faço coisas diferentes em comparação ao que era feito antes.

Sobre a outra questão, eu entendo e acho que nós temos que fazer um trabalho melhor. Faz parte do nosso trabalho monitorar e nós tentamos encontrar jogadoras diferentes. A Formiga não vai ficar muito tempo, Marta, Cristiane. É nosso trabalho encontrar novas jogadoras. Esse é um dos motivos pelos quais eu fui para a Venezuela ver a seleção (sub-20) do Jonas (Urias) jogar. Se a Simone (Jatobá, técnica da sub-17) e o Jonas fizerem um bom trabalho, eu também tenho chance de fazer um bom trabalho com as jogadoras jovens. Porque quando eu olho para outros países, olhe para os EUA, eles têm jogadoras jovens. Nós precisamos trabalhar juntos para encontras jogadoras mais novas. Eu vou ser a primeira a dar uma chance, porque é uma energia nova.

Nós precisamos de mais competição. Competição no clube, na liga, na seleção. Nós precisamos encontrar mais jogadoras no Brasil, deveria ser difícil chegar à seleção brasileira.

Foto: CBF

Dibradoras: Até a Copa de 2019, a seleção tinha um estilo de jogo que passava pouco pelo meio-campo. No seu sistema, você diz que o meio-campo é essencial. Você acha que terá tempo de implementar essas mudanças até a Olimpíada?

Pia: Espero que sim (risos). Nós temos que colocar algumas prioridades, claro. A questão com a defesa é que eu quero o time todo defendendo e nós queremos ganhar a bola numa linha mais alta para já sair para o ataque. Acho que, pelo fato de elas terem abraçado as mudanças, nós temos tempo de implementá-las. Se vai ser bem-sucedido, depende se a gente vai conseguir ter uma defesa compacta, mas mais do que isso, encontrar o DNA brasileiro nisso, para que as jogadoras se sintam confortáveis com o estilo de jogo. A gente fala sobre ficar próximas umas das outras. Então se você está perto uma da outra, você não pode apenas jogar com bolas longas. Você ganha a bola e pode tocá-la para quem está perto. A outra coisa é, em vez de apenas manter a posse, porque, pra falar a verdade, acho que isso é entediante, mas você tenta quebrar as linhas. Se você conseguir alinhar as duas coisas, nós vamos criar muitas chances, teremos diferentes formas de atacar também. Mas eu garanto que nós precisamos ter jogadoras corajosas, é por isso que eu falo das meio-campistas. Elas têm o jogo atrás delas, do lado direito, do lado esquerdo, e na frente delas. Então se você quer ficar perto, compacto, você precisa estar perto do meio-de-campo. Por isso espero que o meio-campo tenha um papel importante na forma como vamos jogar.

Nos últimos amistosos, tivemos uma boa resposta sobre a forma de defender. Nós estamos mais confortáveis para jogar no 4-4-2 quando defendemos. A construção para o ataque, eu diria, está boa. Mas a construção não está resultando em chances de marcar. Então nós vamos trabalhar melhor o último passe e como quebrar as linhas. A posição da Marta é algo sobre o qual sempre falamos, é algo que é importante resolver.Nós tentamos centralizá-la o máximo possível e isso é algo que provavelmente vamos continuar fazendo.

Dibradoras: Você tem acompanhado jogos e times ao redor do país. Como vê o cenário do futebol feminino no Brasil?

Pia: Fui a alguns jogos e visitei alguns clubes e senti como se estivesse no começo do desenvolvimento do jogo das mulheres. Se eles tiverem apoio, acho que podemos ter mudanças importantes. Uma coisa importante é que o futebol feminino no Brasil precisa ser mais competitivo. E em alguns lugares do Brasil, não é competitivo o suficiente. O Brasil é um país muito grande, então tem essas diferenças. Imagine que você esteja jogando toda semana, você tem três ou quatro jogos que vão ser muito difíceis e vão exigir muito de você, e você não sabe se vai vencer ou não. Mas você precisa ter isso toda semana. Precisa encontrar um ambiente mais competitivo sempre, porque aí essas jogadoras tão técnicas vão precisar ser mais rápidas, mais inteligentes, ter melhor condicionamento e etc.

Durante a pandemia, a técnica fez reuniões com atletas e comissão pela internet

Dibradoras: A CBF está sem uma pessoa no cargo de coordenação das seleções femininas de futebol há quase 3 meses. E também não há um departamento específico para cuidar da modalidade na confederação. Como você vê isso?

Pia: Essa é uma questão interessante. Porque trabalhei com o departamento específico, mas também com um sistema incluído no todo. Na Suécia, a gente tinha algo assim, pessoas determinadas para cuidar do futebol feminino e o orçamento pra isso, dá a chance de organizar e olhar o que é importante para o futebol feminino. Por outro lado, você perde a cooperação, porque futebol é futebol, o feminino não tem que ser algo isolado. O melhor sistema para o Brasil, eu não sei, não conheço a situação o suficiente. O que eu sei é que é importante agora que nós tenhamos um coordenador. Porque tem muitas decisões a serem tomadas que incluem muito dinheiro e nós temos 3 datas fifa na nossa frente e nós não sabemos se nós poderemos ir, para os EUA, para a Austrália ou para a Granja Comary. E eu não sou a pessoa para definir isso, sou apenas uma treinadora.

Acho que, quando a CBF decidiu me trazer, ela passou uma mensagem com isso. Eu vou lutar pelo futebol feminino, não só pra 'ganhar a medalha de ouro'. Pra mim, o futebol feminino é muito mais que isso. Acredito que, se a CBF, se o presidente me escolheu, ele também vai escolher uma ótima pessoa pra trabalhar comigo. Porque ele é inteligente. Se ele quiser ter o melhor de mim, ele vai trazer uma pessoa que trabalhe bem e que vá fazer boas coisas para o futebol feminino.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre as autoras

Angélica Souza é publicitária, de bem com a vida e tem um senso de humor que, na maioria das vezes, faz as pessoas rirem. Alucinada por futebol - daquelas que não pode ver uma bola que já sai chutando - sabe da importância e responsabilidade de ser uma mulher com essa paixão. Nas costas, gosta da 10, e no peito, o coração é verde e branco e bate lá na Turiassú. Renata Mendonça é apaixonada por esporte desde que se conhece por gente. Foi em um ~dibre desses da vida que conseguiu unir trabalho e paixão sendo jornalista esportiva. Hoje, sua luta é para que mais mulheres consigam ocupar esse espaço. Roberta Nina é aquariana por essência, são-paulina por escolha e jornalista de formação. Tem por vocação dar voz às mulheres no esporte.

Sobre o blog

Futebol não é coisa de mulher. Rugby? Vocês não têm força para jogar... Lugar de mulher é na cozinha, não no campo, na quadra, na arquibancada. Já ouviu isso muitas vezes, né?! Mas o ~dibradoras surgiu para provar justamente o contrário. Mulher pode gostar, entender e praticar o esporte que quiser. E quem achar que não, a gente ~dibra ;)

Dibradoras