PUBLICIDADE
Topo

Futebol feminino: como chegam os times do Nordeste em 2020

Dibradoras

28/01/2020 09h04

Vitória é o único time nordestino na primeira divisão do Brasileiro feminino; clube entrará com equipe sub-17 para a disputa em 2020 (Foto: Divulgação)

*Por Juliana Lisboa, para a coluna ~dibres com dendê

Com a aproximação do início das séries A1 e A2 do Campeonato Brasileiro Feminino, conversamos com os seis clubes nordestinos "de camisa" que têm equipes masculinas na Série A ou B do Campeonato Brasileiro sobre quais seriam as metas deles para essa temporada.

Além destes, outros dois clubes da região estão confirmados para a disputa dos torneios nacionais: o baiano São Francisco e o pernambucano Vitória de Santo Antão, ambos rebaixados para a Série A2. Essas, aliás, são equipes tradicionais da modalidade, mas que encontram dificuldades para manter seus projetos.

Veja como as equipes nordestinas de futebol feminino chegam em 2020:

Vitória

Único nordestino na elite do futebol feminino, o Vitória desmontou a equipe principal que, no ano passado, por pouco não avançou às quartas de final do Brasileirão. Por motivos financeiros – o time conta com orçamento limitado desde que caiu para a Série B em 2018 -, o clube baiano optou por contar com a equipe sub-17 para a disputa desta temporada, a mesma equipe que ficou em quarto lugar no Campeonato Brasileiro Sub-16 em 2019.

De acordo com o departamento de esportes olímpicos do clube, que engloba o futebol feminino, há a possibilidade da chegada de reforços pontuais no decorrer do campeonato, mas sem previsão ou garantia. Como ponto positivo, a manutenção do técnico Lucas Grillo e Many Gleize na coordenação. A meta do time baiano para a temporada 2020 é se manter na elite.

Ceará

(Fotos: Ronaldo Oliveira)

Um dos times que mais se reforçaram nos últimos anos, o Ceará vem em boa fase para a disputa da Série A2. Bicampeão estadual, manteve o técnico Sérgio Alves, anunciou contratações e vai realizar peneiras para a temporada. De acordo com a assessoria do clube, toda a comissão técnica foi mantida.

Para esse ano, o clube prometeu criar equipes de base Sub-18 e pretendem investir também em um time Sub-20 caso a Federação Cearense de Futebol crie o estadual da categoria. O clube confirmou aumento do investimento no futebol feminino para este ano (no ano passado, ficou em R$ 620 mil), mas não adiantou valores. Houve a informação de que o Ceará estaria com um orçamento previsto na casa de R$ 1,2 milhão para esta temporada, mas a diretoria desmentiu isso. A meta do time cearense é o acesso à Série A1.

Bahia

(Foto: Felipe Oliveira / EC Bahia)

O tricolor baiano é outro que está se reforçando para a Série A2 do Brasileiro. Depois do fim da parceria com a Lusaca, logo após a participação do Brasileirão de 2019 (o time caiu nas oitavas diante do América-MG), o Bahia assumiu o futebol feminino. Com equipe própria, venceu o Campeonato Baiano e conseguiu vaga para a Série A2.

Apesar de ter perdido boa parte da equipe que disputou o estadual – entre dispensas por questões técnicas e jogadoras que receberam propostas melhores – o Bahia contratou reforços para a temporada, com apostas e atletas que já tinham passagens pela Série A1. Além disso, o clube manteve o treinador Igor Morena e a auxiliar Solange Bastos na comissão técnica e já levou as jogadoras para fazer a preparação no novo centro de treinamento Evaristo de Macedo, conhecido como Cidade Tricolor. A meta das meninas de aço é o acesso para a elite.

 

Fortaleza

Foto: Leonardo Moreira/FortalezaEC

O tricolor da capital cearense tem poucas definições para a temporada. Apesar da assessoria do clube garantir um time principal e um de base para 2020, ainda não existem detalhes sobre orçamento, contratações ou mesmo metas. Com o vice-campeonato estadual, a equipe foi confirmada para a disputa da Série A2, e a comissão ainda deve se reunir para definir uma estratégia ainda nessa semana. No ano passado, o Fortaleza conseguiu fechar patrocínio especial para o time feminino.

Náutico

Com a equipe masculina na Série B, o Náutico planeja manter a estrutura do time feminino funcionando para 2020. De acordo com o diretor Luiz Claudio, toda a comissão do futebol feminino dos anos anteriores foi mantida para 2020. A estratégia da equipe é buscar talentos locais, em Pernambuco, e oferecer às jogadoras auxílio e bolsas em faculdades. A expectativa é de fazer um bom campeonato, se manter na Série A2 e buscar o acesso na próxima temporada.

Sport

(Foto: Divulgação)

A equipe ainda não definiu metas para essa temporada. Uma reunião estava prevista para semana passada para amarração dos detalhes, mas foi adiada para essa semana.

Sobre as autoras

Renata Mendonça é jornalista, são-paulina, e apaixonada por esporte desde que se conhece por gente. Foi em um ~dibre desses da vida que conseguiu unir trabalho e paixão sendo jornalista esportiva. Hoje, sua luta é para que mais mulheres consigam ocupar esse espaço. Angélica Souza é publicitária, de bem com a vida e tem um senso de humor que, na maioria das vezes, faz as pessoas rirem. Alucinada por futebol - daquelas que não pode ver uma bola que já sai chutando - sabe da importância e responsabilidade de ser uma mulher com essa paixão. Nas costas, gosta da 10, e no peito, o coração é verde e branco e bate lá na Turiassú. Roberta Nina é aquariana por essência, são-paulina por escolha e jornalista de formação. Tem por vocação dar voz às mulheres no esporte.

Sobre o blog

Futebol não é coisa de mulher. Rugby? Vocês não têm força para jogar... Lugar de mulher é na cozinha, não no campo, na quadra, na arquibancada. Já ouviu isso muitas vezes, né?! Mas o ~dibradoras surgiu para provar justamente o contrário. Mulher pode gostar, entender e praticar o esporte que quiser. E quem achar que não, a gente ~dibra ;)

Dibradoras