Topo
Dibradoras

Dibradoras

Ferroviária derruba série de vitórias do Corinthians na final do Brasileiro

Roberta Nina

22/09/2019 16h14

Foto: Felipe Blanco / Ferroviária

Neste domingo (22), a Ferroviária recebeu o Corinthians em Araraquara para a primeira partida da final do Campeonato Brasileiro e saiu na frente logo no primeiro minuto de jogo com Aline Milene, mas levou o empate de Erika no finzinho do segundo tempo e saiu de casa com o placar em 1 a 1.

O resultado interrompe uma sequência impressionante de 34 vitórias consecutivas do Corinthians neste ano. A campanha da equipe alvinegra no campeonato é quase impecável com 19 vitórias, apenas uma derrota e agora um empate. Essa foi a primeira vez em seis meses que o time corintiano saiu de campo com um resultado diferente da vitória.

A equipe do Parque São Jorge também impressiona no saldo de gols durante a competição: foram 62 marcados e apenas oito sofridos.

A Ferroviária vem em uma ascensão importante nesta reta final do Brasileiro, após ter feito uma primeira fase irregular, classificando em sétimo lugar apenas. Depois, porém, o time de Araraquara eliminou o Santos nas quartas e o Avai Kindermann nas semis para pegar o Corinthians na final.

Com o resultado de hoje, fica tudo igual para as duas equipes, que definirão o título na próxima semana em São Paulo. O jogo de volta e decisivo acontecerá no domingo que vem (29), às 14h, na Fazendinha.

O jogo

A partida começou intensa com a Ferroviária partindo pra cima e tentando fazer valer a vantagem de jogar em casa. E logo no primeiro minuto, o placar foi inaugurado.

Foto: Felipe Blanco/ Ferroviária

Após cruzamento de Nenê na área, Nathane usou o corpo pra fazer o pivô e ajeitar para Aline Milene  fazer um belo gol, cortando a goleira e chutando no cantinho da meta de Lelê. Um início inesperado para o time de Arthur Elias, que não costuma ficar atrás no marcador e chegou para esse jogo embalado por uma goleada na quarta-feira em cima da mesma Ferroviária por 4 a 0 na semifinal do Paulista. 

O gol tomado fez o Corinthians reagir e buscar sua principal característica: o toque de bola na construção das jogadas ofensivas. Mas o time comandado por Tatiele estava muito bem postado na defesa e foi anulando o meio-campo corintiano.

O Corinthians só chegou ao empate nos acréscimos do primeiro tempo após cobrança de escanteio. Tamires cruzou, a bola sobrou para Pardal cabecear e Erika empurrou para as redes pra deixar tudo igual no placar.

Foto: Bruno Teixeira / Corinthians

Fazia muito calor em Araraquara, e as jogadoras sentiram isso no gramado – tanto que a goleira Luciana, da Ferroviaria, em determinado momento ainda na primeira etapa chegou a desmaiar e precisou de atendimento médico – o que levou a arbitragem a determinar um acréscimo mais longo para compensar o tempo parado.

Na segunda etapa, o Corinthians esteve todo o tempo pressionando e quase chegou ao gol com Zanotti, numa bola em que a goleira Luciana defendeu, a bola voltou e, no bate-rebate, acabou indo pra fora.

Na metade final, mais uma boa chance para o Corinthians, que a goleira Luciana tirou quase na linha do gol.

A Ferroviária acabou recuando um pouco e se fechou para tentar segurar o poderoso ataque corintiano. Aline Milene ajudava na marcação e, quando tentava ligar o contra-ataque, não tinha ninguém na frente pra tocar.

As melhores oportunidades do segundo tempo foram mesmo para o time de Arthur Elias, que quase conseguiu o segundo gol no chute de Tamires e depois na chegada de Paulinha.

Foto: dibradoras

Apesar das tentativas, o Corinthians não conseguiu fazer o segundo e saiu de Araraquara com o empate. O público foi interessante para a final, com 2.103 pessoas nas arquibancadas da Fonte Luminosa – e a torcida comemorou com as jogadoras o resultado importante em cima de uma equipe que tem muito mais investimento e vinha embalada por uma sequência de 34 vitórias.

As jogadoras da Ferrinha se abraçaram ao final da partida e estavam visivelmente emocionadas com o resultado – uma superação após a goleada sofrida para o Corinthians no meio da semana na semifinal do Paulista.

Sequência de confrontos

Essa final marca uma série de confrontos decisivos entre Corinthians e Ferroviária, começando pelas semifinais do Paulista, passando pelo Brasileiro e terminando na Libertadores feminina em outubro – os dois representarão o Brasil na competição.

Foto: Bruno Teixeira / Corinthians

O confronto também coloca frente a frente uma das equipes mais tradicionais do futebol feminino, que aposta na modalidade há quase duas décadas, com o clube que mais investe no futebol das mulheres atualmente.

O Corinthians tem feito um trabalho importante de valorização das jogadoras, montando um time forte e competitivo que ganhou tudo nos últimos anos – agora, busca o bicampeonato brasileiro, algo inédito na história do torneio. Já a Ferroviária tem conseguido manter uma gestão excelente aproveitando muito os talentos da base para fazer frente aos times de camisa que entraram mais recentemente no futebol feminino. Campeã em 2014, a equipe comandada por Tatiele também busca o segundo título.

Sobre as autoras

Renata Mendonça é jornalista, são-paulina, e apaixonada por esporte desde que se conhece por gente. Foi em um ~dibre desses da vida que conseguiu unir trabalho e paixão sendo jornalista esportiva. Hoje, sua luta é para que mais mulheres consigam ocupar esse espaço. Angélica Souza é publicitária, de bem com a vida e tem um senso de humor que, na maioria das vezes, faz as pessoas rirem. Alucinada por futebol - daquelas que não pode ver uma bola que já sai chutando - sabe da importância e responsabilidade de ser uma mulher com essa paixão. Nas costas, gosta da 10, e no peito, o coração é verde e branco e bate lá na Turiassú. Roberta Nina é aquariana por essência, são-paulina por escolha e jornalista de formação. Tem por vocação dar voz às mulheres no esporte.

Sobre o blog

Futebol não é coisa de mulher. Rugby? Vocês não têm força para jogar... Lugar de mulher é na cozinha, não no campo, na quadra, na arquibancada. Já ouviu isso muitas vezes, né?! Mas o ~dibradoras surgiu para provar justamente o contrário. Mulher pode gostar, entender e praticar o esporte que quiser. E quem achar que não, a gente ~dibra ;)

Mais Dibradoras