PUBLICIDADE
Topo

Dibradoras

Taça das Favelas: ela apanhou por jogar bola e hoje é inspiração para filha

Conteúdo exclusivo para assinantes

Roberta Nina

29/04/2019 14h56

Foi impossível não notar a presença de Glória Cristina da Silva, de 30 anos, na beira do gramado. Tentando instruir sua equipe, ela não parava de gritar e andava inquieta de um lado para o outro na lateral do campo. Chegou até a levar bronca da organização do campeonato por isso, mas não conseguia se conter. "Sou assim dentro e fora do campo", reconheceu.

Glória, jogadora e treinadora do Penharol (Foto: dibradoras)

É que, na verdade, era para ela estar dentro das quatro linhas. Uma lesão no joelho tirou de Glória a possibilidade de jogar pelo time do Jardim Leme (zona Sudoeste de São Paulo) na disputa inédita da Taça das Favelas, um campeonato que acontece tradicionalmente no Rio de Janeiro e neste ano chegou a São Paulo abrindo espaço também para a presença de equipes femininas.

O nome da equipe de Glória já deixa claro um pouco do espírito que ela  demonstrava fora de campo: Penharol, inspirado no famoso time uruguaio. Ela é quem organizava o time antes de entrar em campo e passava as instruções finais às atletas. Restou exercer a função de treinadora, enquanto se recupera da lesão.

"Nasci no Taboão da Serrra e meu amor pelo futebol começou quando eu vi meu pai fazendo embaixadinhas, competindo com os moleques na vila onde eu morava. Ele foi um dos fundadores do Fortaleza do Jardim Leme. E foi vendo ele fazer embaixadinhas que me encantei e pensei 'meu pai é mestre!' e eu tinha seis anos na ocasião", contou ao blog. 

Aos sete, Glória começou a treinar no próprio campo do Fortaleza e ali, no meio dos garotos, marcou um gol de cabeça no seu primeiro dia de treino. "Peguei mais amor ainda pelo futebol quando marquei aquele gol porque pensei 'eu posso"', disse. 

Equipe do Penharol – Favela do Leme (Foto: dibradoras)

Assim como acontece com a maioria das meninas que amam futebol, Glória precisou enfrentar muitas lutas, como ela mesma definiu. Começando em casa, enfrentando a marcação cerrada de sua mãe que detestava ver a filha jogando futebol. "Ela ia me buscar na beira do campo e me batia muito. Entre meus irmãos, era eu quem gostava de futebol. Levantava cedo, 7h da manhã, limpava a casa e às 9h já estava no treino", revelou. 

E foi resistindo e jogando na comunidade que o treinador do Penharol viu Glória em campo e perguntou se existia a possibilidade dela jogar um dia no time dele. Ela tinha nove anos e começou a defender a equipe, disputando festivais e campeonatos. "Foi aí que descobri a posição de lateral esquerda e descobri que eu chutava com os dois pés", contou. 

Aos 14 anos, Glória contou que chegou a passar em uma peneira para jogar no Corinthians, mas foi impedida por sua mãe. "Entrei em uma revolta, não souberam me aconselhar direito e aos 16 anos eu engravidei do meu primeiro namorado." Mãe de um casal de filhos, Glória já passou sua paixão pelo futebol para sua filha de 13 anos que já segue os passos da mãe.

Mesmo com a derrota e eliminação, participar desta edição das Taça das Favelas foi um prêmio para a Glória que afirmou não ter conseguido dormir de ansiedade. "Essa foi minha 1ª participação em um evento grande. Vim como técnica e pra mim foi uma decepção porque machuquei o joelho em um treino, fiz a cirurgia e ainda estou me recuperando. Espero que depois dessa Copa venha muito mais coisas pra gente jogar. Significou muito pra gente, não porque tinha olheiros, mas sim pra mostrar que nós, mulheres, também jogamos", afirmou. 

Além de torcer por mais oportunidades para as mulheres no futebol, a maior vitória de Glória foi, sem dúvida, passar seu amor pelo futebol para sua filha. "No futebol, eu apoio e quero passar para ela tudo que minha mãe não passou para mim."

Taça das Favelas chega a SP

Neste final de semana, cerca de 500 mulheres estavam no Centro Esportivo Edson Arantes do Nascimento – conhecido também como Pelezão -, em São Paulo para participar da Taça das Favelas, tradicional campeonato que começou a ser realizado no Rio de Janeiro em 2012. Hoje é, sem dúvidas, um dos maiores torneios de futebol de campo entre comunidades.

Organizada pela Central Única das Favelas – CUFA, esta foi a primeira vez que o torneio chegou à capital paulista e durante o último final de semana (27 e 28 de abril) foi a vez das mulheres entrarem em campo. 

No total, 96 comunidades participam do torneio (64 no masculino e 32 no feminino). Entre os meninos, a idade é de 14 a 17 anos, sendo permitido cinco jogadores com 18. No feminino, é ilimitada.

No sábado, quatro equipes femininas entraram em campo e no domingo também. Os classificados de cada dia avançam para as oitavas de final da Taça. "A CUFA sempre se preocupou e trabalhou em prol do protagonismo das mulheres. No futebol, que sabemos que as meninas ainda tem uma longa estrada a percorrer, a nossa preocupação é ainda maior. Se a Taça das Favelas é o maior campeonato de futebol entre favelas do mundo, muito se deve à participação dessas guerreiras", disse Marcivan Barreto, coordenador comunitário da CUFA-SP.

Times participantes e olheiros

A reportagem acompanhou os primeiros jogos do sábado entre Parque Santa Madalena 10×1 contra a Favela do Torresmo (com direito a hat-trick marcado por Vitória) e Vila Albertina 4×2 contra a Favela do Leme – com direito a golaço do meio da rua marcado por Pâmela do Vila Albertina encobrindo a goleira.

Debaixo de sol forte e com rap no alto falante, os times eram organizados e, durante 30 minutos, quatro jogos femininos aconteceram. Olheiros, treinadores e dirigentes de clubes marcaram presença no sábado. Daniela Alves, ex-jogadora da seleção e atual treinadora sub-17 do time feminino do Corinthians estava presente e de olhos bem atentos.

"Vim olhar as meninas que estão jogando a primeira Taça das Favelas aqui em São Paulo. Achei bem legal vir aqui, dar uma olhada, ver se tem algum talento escondido em alguma comunidade", revelou às dibradoras.

Na parte da tarde, as torcidas começaram a comparecer em peso com bandeirões e baterias, dando o tom aos cantos de apoio. Muitas crianças estavam presentes e somente a falta de uma arquibancada para comportar os torcedores deixou a desejar.

Próximas etapas

No futebol feminino, as oito equipes que venceram neste final de semana avançam para as oitavas-de-final que acontecerão nos dias 11 e 12 de maio. A grande final (masculina e feminina) será no dia 1º de junho, no Pacaembu, com transmissão do SporTV.

Além disso, todas as partidas da primeira edição paulista são transmitidas no canal da Taça das Favelas na plataforma Mycujoo. Resultados, gols, tabela e cartões poderão ser conferidos no aplicativo oficial da Taça das Favelas.

O campeonato tem como embaixadores o ex-jogador de futebol, Cafu, a ex-jogadora de basquete, Marta, e o rapper paulista, Dexter.

Sobre as autoras

Angélica Souza é publicitária, de bem com a vida e tem um senso de humor que, na maioria das vezes, faz as pessoas rirem. Alucinada por futebol - daquelas que não pode ver uma bola que já sai chutando - sabe da importância e responsabilidade de ser uma mulher com essa paixão. Nas costas, gosta da 10, e no peito, o coração é verde e branco e bate lá na Turiassú. Renata Mendonça é apaixonada por esporte desde que se conhece por gente. Foi em um ~dibre desses da vida que conseguiu unir trabalho e paixão sendo jornalista esportiva. Hoje, sua luta é para que mais mulheres consigam ocupar esse espaço. Roberta Nina é aquariana por essência, são-paulina por escolha e jornalista de formação. Tem por vocação dar voz às mulheres no esporte.

Sobre o blog

Futebol não é coisa de mulher. Rugby? Vocês não têm força para jogar... Lugar de mulher é na cozinha, não no campo, na quadra, na arquibancada. Já ouviu isso muitas vezes, né?! Mas o ~dibradoras surgiu para provar justamente o contrário. Mulher pode gostar, entender e praticar o esporte que quiser. E quem achar que não, a gente ~dibra ;)

Dibradoras