Topo
Dibradoras

Dibradoras

Quem é a técnica que levou México à semifinal da Copa do Mundo pela 1ª vez

Roberta Nina

28/11/2018 04h00

(Foto: CONCACAF)

Mónica Vergara Rubio já marcou seu nome na história do futebol quando, aos 16 anos, se tornou a mais jovem jogadora a disputar um Mundial defendendo seu país. Em 1999, aos 16 anos, a então zagueira vestiu a camisa mexicana para jogar a Copa do Mundo realizada nos Estados Unidos.

Como atleta, conta também com a experiência de ter disputado uma Olimpíada (em Atenas, 2004) e quatro Jogos Pan-Americanos, ganhando uma medalha de prata em Winnipeg (99) e duas medalhas de bronze; uma em Santo Domingo (2003) e outra em Guadalajara (2011).

Agora, aos 35 anos, Vergara atinge mais uma marca: é a primeira a conseguir levar a seleção mexicana para uma semifinal de Copa do Mundo – entre todas as categorias – com o time sub-17 feminino.

A campanha das chicas mexicanas no Mundial realizado no Uruguai conta com dois empates (África do Sul e Japão) e uma vitória – amarga para nós – contra o Brasil. A classificação para a semifinal veio após empate por 2×2 com Gana e vitória nos pênaltis, onde a estrela da goleira Gutierrez brilhou!

Após a classificação inédita do México, Mónica declarou estar muito orgulhosa de sua equipe."Minhas jogadoras jogaram como mexicanas hoje. Elas jogaram com orgulho e paixão, assim como todas as outras equipes do México – feminina ou masculina", declarou ao site da FIFA.

O próximo desafio da seleção mexicana é a forte equipe canadense – que eliminou as alemãs nos pênaltis – nesta quarta-feira (28/11), às 19h, no Estádio Charrúa, em Montevidéu. A seleção canadense também é comandada por uma mulher, a ex-zagueira Rhian Wilkinson, que faz sua estreia na carreira neste Mundial Sub-17. Com 36 anos, Rhian fazia parte da comissão técnica e assumiu o posto de Bev Priestman após saída do treinador para ser auxiliar técnico na seleção da Inglaterra. Além delas, há ainda uma terceira técnica nessas semifinais – Antonia Is Piñera, ex-jogadora espanhola de 52 anos, é quem comanda a Espanha na outra semifinal diante da Nova Zelândia.

 

+

Mónica pode ser uma novata no cargo, mas já acumula experiência, conquistas e vêm se capacitando ao longo dos anos. Depois de deixar os gramados, foi se aprimorar como treinadora e era a única mulher presente na classe durante os estudos. "Tive que ficar sozinha com jogadores, ex-jogadores, com diferenças de idade e pessoas que nunca jogaram. Foi um grupo que me ajudou muito a chegar onde estou no momento", declarou em março ao site da seleção mexicana. 

Como membro da comissão técnica, ajudou a conduzir o México em sua primeira disputa pelo título da CONCACAF Sub-17 e recentemente o Sub-15 à medalha de bronze nos Jogos Olímpicos da Juventude em 2014, disputado em Nanjing.

Em outubro deste ano, Mónica participou do programa de Formação de Treinadores da FIFA em Zurique, na Suíça. O curso teve duração de dois dias e contou com a presença treinadores de diferentes seleções e categorias. A dinâmica de trabalho consistia em formar uma dupla com um mentor (alguém mais experiente) e um treinador a ser capacitado.

Jill Ellis (treinadora da equipe americana e campeã mundial com a seleção em 2015) era uma das mentoras do programas e escolheu Mónica Vergara para trabalhar com ela. "É um sonho que se tornou realidade. São muitos treinadores e técnicos que farão o papel de mentores com pessoas que estão apenas começando sua carreira. Tive a sorte de ter sido escolhida para trabalhar com Jill Ellis e para mim é algo que me e motiva. O pouco tempo me exige muito, eu farei o meu melhor para que o que eu aprenda com ela, possa trazer um impacto positivo no México", afirmou ao site Marca.

Além de Jill e Mónica, o programa teve a participação de outras mulheres do mundo do futebol, como Pia Sundhage (técnica da seleção sueca), Sarina Wiegman (técnica da seleção holandesa), Corinne Deacon (treinadora francesa), Patrizia Panico (treinadora da equipe sub-16 italiana masculina) e Asako Takemoto (treinadora japonesa), além da participação masculina como Jorge Vilda (treinador da seleção espanhola) e Francisco Neto (treinador da seleção portuguesa).

(Foto: FIFA)

Segundo a FIFA, o objetivo do projeto é apoiar os treinadores e fazê-los adquirir novos conhecimentos, habilidades e experiência para aplicar mais tarde em suas carreiras. A entidade ainda destacou que o evento ocorreu sob o anúncio da primeira estratégia global para o futebol feminino, enfatizando que "irá colaborar tanto com as confederações, como com os membros de federações, clubes, jogadoras, mídia, fãs e outras partes interessadas em implantar o potencial do futebol feminino".

(Foto: FIFA/Getty Images)

Mónica sabe da importância das mulheres romperem as barreiras que há tanto tempo imperam no futebol. "A igualdade de gênero é um tabu muito forte, e para o qual estamos lutando muito. Enfrentamos isso agora graças a tantas mulheres que lutaram desde o século 19 para tudo isso começar. Nas áreas onde estamos, nós todas lutamos pela igualdade. Obviamente, isso implica ter as mesmas responsabilidades, mas também os mesmos direitos. É algo que ainda está sendo trabalhado", afirmou ao site da seleção mexicana.

"Gostaria que todas as garotas no México soubessem que trabalhando pode-se fazer o que quiserem. Se você sonha com um campeonato mundial, claro que é possível. Se elas sonham em ir às Olimpíadas e trazer uma medalha, é claro que podem", concluiu.

COPA DO MUNDO FEMININA SUB-17
SEMIFINAIS
Dia 28/11 (quarta-feira). Estádio Charrúa – Montevidéu
Nova Zelândia x Espanha – 16h
México x Canadá – 19h

Sobre as autoras

Renata Mendonça é jornalista, são-paulina, e apaixonada por esporte desde que se conhece por gente. Foi em um ~dibre desses da vida que conseguiu unir trabalho e paixão sendo jornalista esportiva. Hoje, sua luta é para que mais mulheres consigam ocupar esse espaço. Angélica Souza é publicitária, de bem com a vida e tem um senso de humor que, na maioria das vezes, faz as pessoas rirem. Alucinada por futebol - daquelas que não pode ver uma bola que já sai chutando - sabe da importância e responsabilidade de ser uma mulher com essa paixão. Nas costas, gosta da 10, e no peito, o coração é verde e branco e bate lá na Turiassú. Roberta Nina é aquariana por essência, são-paulina por escolha e jornalista de formação. Tem por vocação dar voz às mulheres no esporte.

Sobre o blog

Futebol não é coisa de mulher. Rugby? Vocês não têm força para jogar... Lugar de mulher é na cozinha, não no campo, na quadra, na arquibancada. Já ouviu isso muitas vezes, né?! Mas o ~dibradoras surgiu para provar justamente o contrário. Mulher pode gostar, entender e praticar o esporte que quiser. E quem achar que não, a gente ~dibra ;)

Mais Dibradoras