PUBLICIDADE
Topo

Reformulação: Santos quer resgatar 'sereias da vila' - mas vai ter Vila?

Renata Mendonça

21/01/2020 04h00

Foto: Divulgação Santos FC

O Santos apresentou nesta segunda-feira o seu maior reforço para 2020: a atacante Cristiane, que estava no São Paulo. O último entre os grandes paulistas a divulgar seu elenco no futebol feminino, a equipe praiana passa por grande reformulação para esta temporada. Mesmo com o projeto mais antigo do futebol feminino entre São Paulo, Corinthians e Palmeiras, o Santos foi quem mais perdeu atletas de 2019 para 2020.

Foram 19 que saíram no total, incluindo a artilheira Glaucia, a atacante Patricia Sochor e a lateral Maurine – essa que esteve no projeto desde que ele foi retomado em 2015. Chegaram 15 (ainda estão chegando, na verdade), incluindo quatro dos tempos do surgimento das "Sereias da Vila", um time que começou a fazer história no futebol feminino em 2009: a atacante Cristiane, as meio-campistas Erikinha e Thaisinha e a lateral Giovana. A ideia do clube é resgatar a tradição e as glórias daquele time, que conquistou tudo entre 2009 e 2010.

Mas se a ideia é essa, uma das dúvidas que surgem é se as jogadoras poderão jogar na Vila Belmiro, a casa do Santos. Foi lá que, em 2018, elas garantiram o recorde de público do estádio no ano, com quase 14 mil pessoas nas arquibancadas na final do Paulista. Em 2017, foram mais de 16 mil pessoas (lotação máxima), com muita gente ainda ficando para fora, na final do Campeonato Brasileiro contra o Corinthians. O estádio sempre foi uma força do Santos no futebol feminino e também uma conexão das jogadoras com a torcida, que é apaixonada pelas Sereias desde o projeto bem-sucedido que repatriou Marta em 2009. Mas no ano passado, elas não puderam jogar na Vila Belmiro.

Gramado cheio de lama no Ulrico Mursa (Foto: Pedro Ernesto Guerra / Santos FC)

Questionado sobre isso na coletiva de imprensa, o presidente José Carlos Perez se esquivou da responsabilidade. "A intenção é que jogue na Vila Belmiro esse ano. No ano de 2019, nós tivemos um treinador que achava que só ele poderia jogar na Vila. Nós queríamos muito um título naquele ano e acabamos cedendo a isso. Mas nós vamos lutar pra que elas também tenham direito de jogar na Vila que é a nossa casa", afirmou o dirigente.

Apesar do compromisso em "lutar para que o time feminino volte a jogar na Vila", o presidente deveria ter forças para determinar que isso acontecesse – se ele assim quisesse. Mas com a resposta superficial, ele dá a entender que a prioridade de decisão é do técnico do time principal masculino. E, se assim como Jorge Sampaoli, Jesualdo quiser a exclusividade de uso da Vila Belmiro, ele assim terá. As Sereias Da Vila que ganharam o apelido também pelo sucesso que faziam no estádio, enchendo as arquibancadas com frequência, talvez precisem de novo virar "Sereias do Ulrico Mursa", um estádio com gramado bastante ruim, como ficou claro nas quartas-de-final do Brasileiro do ano passado.

 

Reformulação

O clube alega que a saída de 19 jogadoras não foi uma "debandada", e sim uma reformulação do Santos para um novo projeto em 2020. Ainda assim, é inegável que o time que sempre foi referência na modalidade, ficou um pouco para trás em 2019. Agora, a ideia com a retomada da tradição das "sereias da Vila", é voltar a ser modelo no futebol feminino. E o projeto começa com a chancela de ninguém menos que Cristiane.

"O presidente tem conversado muito comigo, tem sido muito franco, os projetos que ele tem na modalidade, eu falei: se isso sair do papel, vocês serão pioneiros. O torcedor santista tem um carinho absurdo não só por mim, mas por todas as jogadoras que passaram aqui, não à toa tem várias voltando. Nossa história está aqui dentro do clube, se você for ao Museu você vai ver nossos troféus e nossas conquistas", afirmou a atacante.

Foto: Dibradoras

Se demorou um pouco mais para apresentar os reforços, o Santos garante que vai brigar pelos títulos de novo neste ano e para se manter no topo no futebol feminino. O time também passou por diversas mudanças na comissão técnica e contou com a chegada de uma novidade importante: a auxiliar técnica Sandra Santos.

No ano passado, Emily Lima era a técnica e Guilherme Giudice foi seu auxiliar. Com a saída de Emily, Guilherme assumiu e agora ele monta sua comissão com a participação de mulheres muito competentes: é o caso de Sandra, que foi coach na época de Emily na seleção brasileira e preparadora física depois no time da Vila – agora ela será auxiliar de Gui. Além disso, o treinador conseguiu contar com Pati Nardy para ser preparadora de goleiras. A ideia dela era jogar por mais um ano, mas ele fez a oferta de ela continuar seu trabalho no clube com as chuteiras penduradas, e a jogadora gostou da ideia. Na base, mais uma ex-jogadora que se preparou para atuar fora dos gramados terá uma oportunidade: a ex-goleira Thais Picarte será a coordenadora da base.

Entre os reforços, o Santos já confirmou as chegadas da meia Gaby Soares e da atacante Larissa do Flamengo, e deverá anunciar mais nomes do clube carioca: A lateral esquerda Fernanda Palermo, a meia Bia Menezes, e a zagueira Day

Na sexta-feira, o clube praiano fará uma apresentação oficial do elenco de 28 atletas para a imprensa, também na Vila Belmiro. As jogadoras usarão o CT Meninos da Vila para treinar, além de algumas estruturas do clube Marítima, que tem parceria com o Santos para o feminino e a base. Os locais de jogo ainda não estão definidos – mas os dirigentes sabem que há uma cobrança grande para que sejam na Vila Belmiro.

Sobre as autoras

Renata Mendonça é jornalista, são-paulina, e apaixonada por esporte desde que se conhece por gente. Foi em um ~dibre desses da vida que conseguiu unir trabalho e paixão sendo jornalista esportiva. Hoje, sua luta é para que mais mulheres consigam ocupar esse espaço. Angélica Souza é publicitária, de bem com a vida e tem um senso de humor que, na maioria das vezes, faz as pessoas rirem. Alucinada por futebol - daquelas que não pode ver uma bola que já sai chutando - sabe da importância e responsabilidade de ser uma mulher com essa paixão. Nas costas, gosta da 10, e no peito, o coração é verde e branco e bate lá na Turiassú. Roberta Nina é aquariana por essência, são-paulina por escolha e jornalista de formação. Tem por vocação dar voz às mulheres no esporte.

Sobre o blog

Futebol não é coisa de mulher. Rugby? Vocês não têm força para jogar... Lugar de mulher é na cozinha, não no campo, na quadra, na arquibancada. Já ouviu isso muitas vezes, né?! Mas o ~dibradoras surgiu para provar justamente o contrário. Mulher pode gostar, entender e praticar o esporte que quiser. E quem achar que não, a gente ~dibra ;)

Dibradoras