Topo
Dibradoras

Dibradoras

Paulista feminino no SporTV lidera audiência e supera até Premier League

Renata Mendonça

05/11/2019 04h00

(Foto: Bruno Teixeira)

A final do Campeonato Paulista feminino entre São Paulo e Corinthians no último final de semana já foi histórica pelo fato de as mulheres terem retornado ao Morumbi pela primeira vez em duas décadas. Mas, mais do que isso, outro resultado simbólico foi atingido neste Majestoso feminino. A partida foi transmitida pelo SporTV e fez o canal liderar a audiência no horário (entre 11h e 13h) entre os canais esportivos.

Isso significa que a transmissão do futebol feminino superou campeonatos tradicionais do futebol masculino que estavam passando no mesmo horário na ESPN e na Fox Sports. Tinha mais gente ligada no SporTV vendo as mulheres em campo do que na ESPN Brasil assistindo ao jogo entre Manchester City e Southampton pela Premier League. A ESPN tinha Arsenal e Wolves nesse horário e também perdeu em audiência. E para fechar, a Fox, que transmitia um jogo da Bundesliga nesse horário entre Eintracht Frankfurt e Bayern de Munique (que acabou em goleada em cima do Bayern, por sinal), também ficou atrás da final do Paulistão feminino.

Os números só mostram o quanto o futebol feminino tem crescido e atraído mais interesse, tanto da mídia, que agora busca transmitir mais jogos, quanto do público, que tem comparecido mais aos jogos e acompanhado mais os campeonatos – especialmente com a participação dos times de camisa.

Foto: Bruno Teixeira

Se antes praticamente não havia transmissão dos torneios das mulheres na TV – o próprio Paulista feminino fazia sua própria transmissão online via FPF porque não havia emissora interessada em mostrar os jogos – , agora foram três os canais que exibiram essa final: SporTV (único da TV fechada), Rede Vida (que já transmitia jogos todos os sábados às 11h desde a primeira fase) e TV Cultura.

As transmissões online da FPF cresceram quase 300% esse ano com relação ao ano passado e a prova de que os números estão empolgando é o interesse de mais canais televisivos em transmitir as partidas. Isso não é só com o Paulista, mas com o futebol feminino em geral.

O Sportv atingiu resultados muito expressivos com a Copa do Mundo feminina e, mais do que isso, com os amistosos pós-Mundial da seleção feminina. O Brasil x Polônia que foi exibido pelo canal em uma terça-feira às 15h30 também garantiu a liderança na audiência na TV por assinatura. Agora, foi a vez do Paulista feminino trazer novamente a liderança para o SporTV, que já busca ter os direitos de transmissão do Brasileiro feminino de 2020 pensando no sucesso que a modalidade atingiu neste ano.

Foto: CBF

Claro que nada disso veio por acaso. O investimento da CBF no futebol feminino aumentou e isso elevou o nível do campeonato, gerando mais interesse de todas as partes envolvidas. Além disso, a resolução da Conmebol e da própria confederação obrigando times de camisa a investirem no feminino contribuiu muito para o crescimento da modalidade – quando há clubes do masculino que já trazem consigo grandes torcidas e a rivalidade importada, isso atrai mais visibilidade da mídia que, por sua vez, passa a transmitir os jogos e despertar o interesse das marcas em investir na modalidade. E é assim que se transforma um ciclo que era vicioso – que sempre se resguardou no clichê "ninguém quer ver futebol feminino" – em um ciclo virtuoso, que tem inclusive os números recentes de audiência a seu favor.

Cada vez mais fica comprovado que a resistência que sempre se teve com relação a dar visibilidade ao futebol feminino (na TV e na mídia em geral) tinha pouco a ver com fatos e tudo a ver com preconceito. Como é que se poderia saber que "não dá audiência" se ninguém nunca havia testado promover uma transmissão?

A Copa do Mundo feminina de 2019 foi – e será – um divisor de águas em todos os sentidos. Com todos os recordes quebrados durante o torneio – e que, guardadas as devidas proporções, refletiram em mais recordes nos campeonatos locais depois do Mundial -, alguém ainda ousa dizer que "ninguém quer ver futebol feminino"? Já está começando a ficar feio.

Sobre as autoras

Renata Mendonça é jornalista, são-paulina, e apaixonada por esporte desde que se conhece por gente. Foi em um ~dibre desses da vida que conseguiu unir trabalho e paixão sendo jornalista esportiva. Hoje, sua luta é para que mais mulheres consigam ocupar esse espaço. Angélica Souza é publicitária, de bem com a vida e tem um senso de humor que, na maioria das vezes, faz as pessoas rirem. Alucinada por futebol - daquelas que não pode ver uma bola que já sai chutando - sabe da importância e responsabilidade de ser uma mulher com essa paixão. Nas costas, gosta da 10, e no peito, o coração é verde e branco e bate lá na Turiassú. Roberta Nina é aquariana por essência, são-paulina por escolha e jornalista de formação. Tem por vocação dar voz às mulheres no esporte.

Sobre o blog

Futebol não é coisa de mulher. Rugby? Vocês não têm força para jogar... Lugar de mulher é na cozinha, não no campo, na quadra, na arquibancada. Já ouviu isso muitas vezes, né?! Mas o ~dibradoras surgiu para provar justamente o contrário. Mulher pode gostar, entender e praticar o esporte que quiser. E quem achar que não, a gente ~dibra ;)

Dibradoras