Topo
Dibradoras

Dibradoras

Por que as Sereias da Vila não estão jogando na Vila Belmiro em 2019?

Roberta Nina

2023-05-20T19:17:12

23/05/2019 17h12

Equipe santista no Pacaembu (Foto: dibradoras)

O time feminino do Santos, atual campeão paulista, tem disputado seus jogos fora da Vila Belmiro, local onde estava mandando suas partidas com certa frequência no ano passado. Muitos torcedores passaram a questionar a decisão e a hashtag #SampaoliLiberaAVilaBelmiro apareceu de leve no Twitter neste final de semana, questionando se decisão teria partido do comandante do elenco masculino santista.

No jogo em que o Santos perdeu por 3×2 para o Corinthians, as Sereias da Vila jogaram na capital paulista e nós questionamos a treinadora da equipe, Emily Lima, sobre a decisão. "Infelizmente não estamos jogando na Vila e é uma grande pena. A gente sente muito por não jogar lá, mas a prioridade é o profissional masculino, nem o feminino e nem a base estão jogando lá. Mas estão revendo isso porque eles sabem da importância da gente jogar lá, enfim. E isso não é muito da nossa área, mas é um grande desejo nosso jogar na Vila", afirmou. 

O Estádio Urbano Caldeira – a famosa Vila Belmiro – passa por reformas desde o dia 20 janeiro. Com isso, até mesmo a equipe masculina precisou mandar seus jogos para a capital paulista. São várias as intervenções que o estádio está passando, como cuidados com segurança pública, iluminação, melhoria no gramado e mudanças na parte dos vidros que cercam o gramado.

Alessandro e Emily na apresentação da treinadora em 2018 (Foto: Divulgação/Santos Futebol Clube)

Desde março, a equipe feminina santista precisou mandar seus jogos em outros estádios por conta dessa reforma. Pelo Brasileirão Feminino, as Sereias da Vila jogaram como mandantes em Itapira, Mogi das Cruzes, no estádio da Portuguesa Santista e no Pacaembu. Pelo Paulista, em três jogos como mandante, a equipe de Emily Lima atuou no CT Meninos da Vila contra o Taubaté, em Jundiaí contra o Juventus e no Pacaembu recebendo o Corinthians.

Alessandro Rodrigues, Gerente Executivo das Sereias da Vila, afirmou ao blog que essa situação é temporária e necessária para manter a preservação do gramado da Vila Belmiro neste momento. "A Vila Belmiro sofreu intervenções nesse ano, que inclusive invadiram o calendário de jogos do masculino, por exemplo, que jogou praticamente todo o campeonato Paulista no Pacaembu. E essas intervenções se estenderam também ao gramado, como plantio de grama e etc. E o Santos tem um departamento de patrimônio, uma superintendência administrativa e um comitê de gestão que decidiram que, momentaneamente, a ideia é preservar o gramado para os jogos do masculino profissional."

Alessandro entende a preferência do elenco feminino em jogar na Vila e fez questão de deixar claro que não se trata de uma proibição ou impedimento. "É uma decisão momentânea, não é uma proibição, uma portaria dizendo que o feminino não vai mais jogar na Vila Belmiro. Quando eu cheguei aqui, no ano anterior (2017), elas disputaram uma quantidade significativa de partidas no CT Rei Pelé em gramado sintético. Mas a gente mudou isso, conseguimos jogar quase que 100% na Vila Belmiro em 2018. É a nossa casa, claro que queremos jogar aqui, mas no momento por causa dessa situação de reforma de gramado, a direção do Santos decidiu privilegiar agora os jogos do masculino."

Sim, as Sereias jogaram quase todos seus jogos do ano passado na Vila Belmiro. No primeiro jogo da final do Campeonato Paulista contra o Corinthians, quase 14 mil pessoas ocuparam as arquibancadas da Vila fazendo uma linda festa. A equipe da casa venceu por 1×0 – com gol de Chu – e este foi o maior público do time no ano.

Como já havia nos afirmado a treinadora Emily Lima, o objetivo da equipe santista nessa temporada é conquistar o Campeonato Brasileiro para que o time possa voltar a disputar a Libertadores da América. E, alinhado a isso, a escolha do gramado é fundamental para que as meninas possam alcançar bons resultados.

"Se não joga na Vila, tem que ser em um campo à altura, né?! Não podemos jogar em qualquer campo. Então, a opção desses jogos importantes é jogar aqui porque é um gramado que facilita o nosso modelo de jogo, com muito passe no chão e jogo apoiado. Então a gente precisa de um campo que seja rápido e bom para que possamos colocar em prática o nosso trabalho, senão ele vai por água abaixo", afirmou a técnica.

Emily Lima comanda o Santos em uma grande campanha (Foto: Pedro Ernesto Azevedo / Santos FC)

Mesmo sabendo as diferenças que o estilo dos jogos femininos e masculinos impõem ao gramado, Alessandro reiterou que em jogos decisivos, as Sereias da Vila deverão usar o campo principal da equipe. "Eu tenho certeza que mais pra frente isso pode mudar. Tenho certeza que nas fases mais agudas e em momento decisivos a direção vai entender nossa demanda e muito provavelmente a gente volte a jogar na Vila ainda esse ano", reforçou. 

Além da predileção por jogar na Vila Belmiro, Alessandro também observa a relação afetiva que as jogadoras têm com o estádio, afinal algumas delas moram ali. "É claro que existe uma relação de pertencimento à Vila Belmiro com todos nós, ela tem o sentido de casa. E no caso das jogadoras esse sentido é mais do que simbólico porque inclusive parte delas mora no estádio e elas gostariam de jogar aqui (na Vila Belmiro). Mas a gente é profissional e elas também são muito profissionais. E como profissionais elas sabem que devemos jogar onde tiver que jogar e que foi determinado pela direção. São decisões que a gente tem que acatar e fazer o melhor possível."

Segundo Alessandro, as partidas do time feminino não geram custos de aluguel, já que o clube tem uma parceria com o estádio. "O uso do futebol masculino no Pacaembu nos deu algumas contrapartidas e a gente ocupa esses horários", afirmou.

Jogos femininos no Pacaembu

No último domingo (19/5), o Santos recebeu a equipe do Internacional em um jogo eletrizante que acabou em 2×1 para a equipe gaúcha. Na ocasião, a TV Bandeirantes transmitiu a partida em rede nacional e a resposta do público foi muito positiva.

Repetindo o exemplo santista, o São Paulo receberá o Palmeiras no próximo sábado (25/11), às 11h, também no Pacaembu. A partida é válida pelo Campeonato Paulista e terá entrada gratuita.

"Talvez a nossa iniciativa de jogar lá (Pacaembu) estimule outros clubes a fazer o mesmo. Não estou dizendo que o São Paulo fez isso por nossa causa, mas é interessante notar que depois dessa nossa realização de três partidas por lá, as pessoas procurem o estádio também. É bom para o Pacaembu e para o futebol feminino também", revelou o dirigente santista.

Emily Lima reitera que o clube atende seus pedidos, mas não esconde sua predileção por jogar em casa, perto de sua torcida. "Eles têm atendido os nossos pedidos, mas eu gostaria muito que me atendessem para jogarmos na Vila. Agora vamos torcer e esperar."

(Foto: Pedro Ernesto Azevedo / Santos FC)

No próximo domingo (26), o Taubaté recebe a equipe santista em seu estádio, às 15h, pelo Campeonato Paulista. A equipe da Vila ocupa a segunda colocação do grupo 2, atrás do Corinthians.

Pelo Campeonato Brasileiro, as Sereias da Vila voltam a campo logo após o término da Copa do Mundo Feminina. O time está em segundo lugar na tabela de classificação com a mesma pontuação do líder Corinthians, ficando atrás apenas no saldo de gols.

A artilharia do Paulista é de Adriana do Corinthians com 5 gols. Pelo Brasileiro, Milene, também do Corinthians, tem 10 gols marcados.

Sobre as autoras

Renata Mendonça é jornalista, são-paulina, e apaixonada por esporte desde que se conhece por gente. Foi em um ~dibre desses da vida que conseguiu unir trabalho e paixão sendo jornalista esportiva. Hoje, sua luta é para que mais mulheres consigam ocupar esse espaço. Angélica Souza é publicitária, de bem com a vida e tem um senso de humor que, na maioria das vezes, faz as pessoas rirem. Alucinada por futebol - daquelas que não pode ver uma bola que já sai chutando - sabe da importância e responsabilidade de ser uma mulher com essa paixão. Nas costas, gosta da 10, e no peito, o coração é verde e branco e bate lá na Turiassú. Roberta Nina é aquariana por essência, são-paulina por escolha e jornalista de formação. Tem por vocação dar voz às mulheres no esporte.

Sobre o blog

Futebol não é coisa de mulher. Rugby? Vocês não têm força para jogar... Lugar de mulher é na cozinha, não no campo, na quadra, na arquibancada. Já ouviu isso muitas vezes, né?! Mas o ~dibradoras surgiu para provar justamente o contrário. Mulher pode gostar, entender e praticar o esporte que quiser. E quem achar que não, a gente ~dibra ;)

Mais Dibradoras