Topo
Dibradoras

Dibradoras

De volta à elite, CSA quer parceria com Marta para alavancar time feminino

Renata Mendonça

25/01/2019 09h48

Foto: Divulgação

*Por Juliana Lisboa, para a coluna ~dibres com dendê

Na Série A do Campeonato Brasileiro pela primeira vez depois de 31 anos – a última vez que jogou na elite nacional foi em 1987 – o CSA tem algumas metas para 2019.

Uma delas, claro, é se manter na Série A e conseguir elevar o patamar financeiro da equipe alagoana. Outra é fazer com que seu time feminino, apadrinhado pela seis vezes melhor jogadora do mundo, Marta, também chegue à elite do futebol.

Para isso, o azulão vai precisar investir, de fato, na modalidade. E vê na sua pricipal torcedora, a jogadora Marta, uma possível aliada.

"Nossa maior azulina é a melhor jogadora de futebol de todos os tempos. Seis vezes eleita a melhor do mundo. Temos que transformar isso numa vitrine para o nosso futebol feminino", disse o vice-presidente da agremiação, Omar Coelho. "Estamos estudando uma parceria com ela para conseguir trazer mais patrocínios e apoios à modalidade", acrescentou, sem dar muitos detalhes.

O uso da figura de Marta faz sentido. Alagoana, ela começou a jogar bola ainda criança e continua torcendo e acompanhando o CSA. Quando o clube subiu à Série A em 2018, por exemplo, ela comemorou pelas suas redes sociais e até disse que jogaria pela equipe masculina se fosse convidada.

 

Ver esta publicação no Instagram

 

Somos @csaoficial somos Alagoas somos série A 2019 💙💙💙💙💙💙💙💙💙💙💙💙💙💙💙💙💙💙💙

Uma publicação partilhada por martavsilva10👻 (@martavsilva10) a

Tradição x Estrutura

O CSA é um dos poucos clubes nordestinos que já mantinham uma equipe feminina antes da obrigatoriedade imposta pela Conmebol e acatada pela CBF, de que todos os times de Série A e que disputem competições internacionais tenham que manter uma equipe de mulheres. A regra entra em vigor a partir deste ano.

Mesmo sem muita expressão em competições nacionais, as azulinas são referência no estado. Em 2018, foram bicampeãs da Copa Rainha Marta, que é realizada pelo Governo do Estado de Alagoas, e ficaram com o segundo lugar no estadual. Quem ficou com o título, e de forma invicta, foi o União Desportiva.

No ano passado, o CSA não disputou o Brasileiro Feminino. Neste ano, mesmo com a equipe masculina na Série A – o que deu a alguns "times de camisa" uma vaga na Série A2 – a equipe, segundo a diretoria, ainda não tem acesso garantido.

Foto: Divulgação CSA

Até o ano passado, a estrutura do time feminino do CSA era inexistente, e as atletas sequer recebiam salário para jogar. "Era uma equipe de abnegados, tanto as jogadoras como a comissão técnica. A equipe sequer treinava, chegava para fazer os jogos e depois um ônibus levava as meninas de volta para suas cidades. Muitas moravam em municípios menores, como Coruripe", explicou o vice-presidente.

Para esse ano, a estrutura da equipe será outra, com investimento e planejamento. E a projeção do clube é de que a exigência da profissionalização do futebol feminino traga melhorias para as jogadoras a longo prazo.

"A Marta disse que a maior preocupação dela é quando se aposentar. Ou seja, se nem ela, seis vezes eleita a melhor do mundo, tem independência financeira, imagina as demais jogadoras brasileiras. Esse disparate tem que acabar. Pra mim, a melhor coisa que a CBF fez foi acatar essa imposição da Conmebol", acrescentou.

Investimento

Segundo Omar Coelho, investir na modalidade será um pouco mais fácil a partir desse ano por conta do aumento do orçamento do clube. Os valores ainda não foram fechados, mas a expectativa é que fiquem em R$ 40 milhões, o maior da sua história.

Foto: Divulgação CSA

"Ficamos de fazer o orçamento para o futebol feminino ainda em janeiro. O que tínhamos antes era zero. Hoje temos uma expectativa de uma folha de pagamento de R$ 200 mil para jogar o Brasileiro", disse. Ainda de acordo com o vice-presidente, o clube está estudando uma parceria com escolas para formar um time sub-18 com garotas em idade escolar, já pensando em atender aos requisitos do Brasileiro Feminino Sub-18, novo torneio anunciado pela CBF.

Para o dirigente, a meta, agora, é conseguir jogar a Série A2 e subir para a Série A1. "Queremos ser referência nacional no futebol feminino também. Mas isso vai depender de continuarmos na Série A no masculino, porque aí conseguiremos atingir um novo patamar"

Sobre as autoras

Renata Mendonça é jornalista, são-paulina, e apaixonada por esporte desde que se conhece por gente. Foi em um ~dibre desses da vida que conseguiu unir trabalho e paixão sendo jornalista esportiva. Hoje, sua luta é para que mais mulheres consigam ocupar esse espaço. Angélica Souza é publicitária, de bem com a vida e tem um senso de humor que, na maioria das vezes, faz as pessoas rirem. Alucinada por futebol - daquelas que não pode ver uma bola que já sai chutando - sabe da importância e responsabilidade de ser uma mulher com essa paixão. Nas costas, gosta da 10, e no peito, o coração é verde e branco e bate lá na Turiassú. Roberta Nina é aquariana por essência, são-paulina por escolha e jornalista de formação. Tem por vocação dar voz às mulheres no esporte.

Sobre o blog

Futebol não é coisa de mulher. Rugby? Vocês não têm força para jogar... Lugar de mulher é na cozinha, não no campo, na quadra, na arquibancada. Já ouviu isso muitas vezes, né?! Mas o ~dibradoras surgiu para provar justamente o contrário. Mulher pode gostar, entender e praticar o esporte que quiser. E quem achar que não, a gente ~dibra ;)

Mais Dibradoras