Topo
Dibradoras

Dibradoras

Consciência Negra: as pioneiras do esporte que você nunca ouviu falar

Roberta Nina

20/11/2018 04h00

A história das mulheres no esporte, infelizmente, ainda é muito pouco conhecida. Foram séculos até que elas conquistassem o direito de praticar esportes, outras décadas para conquistarem o direito de disputar Olimpíadas, outros tantos anos para conseguirem o respeito que merecem nas modalidades que praticam. São poucos os nomes que lembramos, assim, de cabeça, e que sabemos contar a história, de onde veio, o que fez, a importância que teve. Se pensarmos em mulheres negras, então, a memória fica ainda mais escassa.

Essas precisaram lutar ainda mais para terem seus nomes reconhecidos na história. E aproveitando esse 20 de novembro, dia da Consciência Negra, um dia de reflexão e de luta, quisemos contar aqui as histórias de 5 mulheres negras que foram pioneiras nas conquistas do esporte brasileiro. Claro que os nomes vão muito além desses, mas escolhemos as atletas mais desconhecidas e que, pela relevância histórica e pioneirismo, merecem muito ser contadas.

*Se tiver sugestões de outras, é só deixar nos comentários 🙂

Wanda dos Santos (atletismo)

Paulistana, nascida em 1932, praticava atletismo. Participou dos 80 metros com barreiras nos Jogos Olímpicos de Helsinque, em 1952 e foi a única mulher da delegação brasileira – com 81 atletas – na Olimpíada de 1960, em Roma.

Em Helsinque, Wanda foi vítima de preconceito, quando as competidoras se recusavam a ficar próximas ou até mesmo cumprimentá-la por ela ser negra.

(Foto: Reprodução Documentário "Sem Barreiras"/ESPN Brasil)

Foi a segunda mulher negra do Brasil a disputar uma Olimpíada – a primeira foi Melania Luz, nos 200 metros, em Londres-1948. Esteve presente em diversos Jogos Pan-Americanos, como Bueno Aires (1951), Cidade do México (1955), Chicago (1959) e São Paulo (1953). Conquistou medalhas em todas as edições, sendo três de bronze e uma de prata.

Foi professora de Educação Física para crianças do Ensino Fundamental e, assim como Aida dos Santos, foi uma das pioneiras no combate ao machismo e racismo no esporte.

Aida dos Santos (atletismo)

Por falar em Aida, ela é um ícone do esporte brasileiro. Uma mulher vitoriosa que desafiou os preconceitos para conseguir um histórico quarto lugar no salto em altura na nos Jogos Olímpicos de Tóquio (1964), aquela em que foi a ÚNICA representante feminina entre os 61 atletas da delegação brasileira.

Nasceu em 1937, no Rio de Janeiro, mas foi criada em Niterói. Gostava de jogar vôlei, mas ao acompanhar uma amiga ao estádio Caio Martins fez um salto a convite dela e chegou a 1.40m de altura, sem nenhuma técnica. Aida tinha 19 anos e na ocasião, o recorde do salto em altura era de 1.45m, conquistado por uma atleta do Estado do Rio de Janeiro.

"Sou discriminada desde criança. No primário, lembro que a professora falava pra mim 'cala a boca crioula, negra, feia'. Sempre gostei de voleibol também, mas meu pai não me deixava jogar na rua com as colegas e por muito tempo no Brasil, o voleibol não era praticado por pessoas negras. No ginásio, fui disputar um campeonato estudantil (de vôlei) e era a única negra do time. Ouvi da arquibancada alguém gritar mais de uma vez 'sai daí, crioula, seu lugar é na cozinha'. Quando terminou o jogo, eu fui na direção em que a pessoa saiu e disse 'realmente, meu lugar é na cozinha, na sala, no quarto e na quadra de esporte"', afirmou a ex-atleta em entrevista ao podcast das dibradoras na Rádio Central3 (você pode ouvir aqui).

(Foto: Reprodução Documentário: "Aida dos Santos, uma história de garra")

Sem técnico, sem tênis, sem uniforme ou qualquer apoio, Aida foi desacreditada para os Jogos de Tóquio, torceu o pé na eliminatória e precisou da ajuda do médico cubano da adversária para conseguir competir a final. Saltando 1,74m, ela foi a quarta melhor do mundo na época e deu a melhor resposta que poderia a quem lhe dizia que "lugar de crioula era na cozinha".

"Quanto mais me desafiavam, mais força eu tinha", disse ela. E foi assim que deixou seu nome na história do esporte brasileiro como a terceira mulher negra a disputar uma Olimpíada – e que sustentou o melhor resultado feminino na competição até 1996, quando Jaqueline e Sandra conseguirem o ouro no vôlei de praia.

Formada em Educação Física, Pedagogia e Geografia, trabalhou como professora por muitos anos. É mãe de Valeskinha (campeã olímpica de vôlei) e ainda pratica esportes (vôlei, pentatlo e atletismo) em Mundiais na categoria Master.

Soraia André (judô)

Mulher negra praticando um esporte proibido, Soraia participou dos Jogos Olímpicos de Seul, em 1988, quando a modalidade surgiu na Olimpíada apenas como exibição.

Foi pioneira do judô no país, decacampeã nacional e a primeira mulher a conquistar uma medalha de ouro em Jogos Pan-Americanos (em Indianápolis, 1987).

Soraia André, ex-judoca (Foto: Boletim Osotogari)

Soraia precisou enfrentar seus traumas após ficar em 5º lugar na Olimpíada de Seul e também por não conseguir conquistar uma medalha no ciclo seguinte, em Barcelona, 1992. Tentou suicídio por conta da frustração com seus desempenhos e, no retorno ao Brasil, fez duras críticas à Confederação de Judô pela falta de repasse de dinheiro aos atletas durante as competições. Como punição, foi banida de praticar o esporte.

Formada em Educação Física, passou a trabalhar para a Prefeitura de Santo André (SP) dando aulas de judô.

Piedade Coutinho (natação)

Nasceu em 1920, na Ilha do Governador, no Rio de Janeiro. Começou a nadar em 1934 e era atleta do Flamengo quando bateu o recorde brasileiro nos 400m livres, garantindo a classificação para os Jogos Olímpicos de Berlim, em 1936.

Aos 16 anos, chegou em 5º lugar na prova dos 400m nado livre, batendo o recorde sul-americano, resultado que só foi igualado 68 anos depois, por Joanna Maranhão, em 2004.

Abandonou a natação para se casar e ter filhos, mas retornou ao esporte em 1943 e, em 1948, disputou sua segunda Olimpíada, em Londres. Ficou em 6º lugar em duas provas: 400m livre e no revezamento 4×100.

(Crédito: O Globo Sportivo)

"Existiam muitos tabus naquela época em que a mulher não podia nadar, que a mulher era uma dona de casa, casada com filhos, não podia fazer esportes, era feio. E eu acho que eu dei um exemplo à mulher brasileira, que nós podemos fazer isso e devemos, não só para darmos exemplo aos nossos filhos, à juventude e mas também para o nosso corpo e nossa saúde", declarou Piedade anos depois.

Após abandonar as piscinas, foi diretora de natação do Botafogo e iniciou um trabalho de recuperação de deficientes físicos, interesse que surgiu por causa de sua participação na Olimpíada de 1936, quando, em Berlim, visitou um hospital que, pela natação, promovia a recuperação de crianças deficientes.

Também fez campanha para a construção do Lar de Recuperação da Paralisia Infantil, onde desenvolveu atividades aquáticas. Deu seguimento a este trabalho em Portugal, onde residiu por oito anos, e também em Brasília.

Desde 2013, tem seu nome e seus feitos eternizados no Hall da Fama da Natação Brasileira.

Irenice Rodrigues (atletismo)

Nasceu em Itabirito em Minas Gerais e é considerada como uma das melhores atletas latino-americanas de sua geração (década de 60). Mas sua militância, sua presença nos movimentos grevistas, conduta antifascista, classe social e cor de pele incomodavam as autoridades do regime militar da época.

Praticava salto em altura. Defendeu o Botafogo (RJ) e lá experimentou as provas do salto em distância, 400 metros rasos e dos 800 metros, no início de 1965.

(FOTO: REPRODUÇÃO/DOCUMENTÁRIO 'PROCURANDO IRENICE)

Desafiou as normas do esporte ao se dedicar aos 800m porque a prova era proibida para a prática feminina. Uma matéria publicada no Jornal dos Sports em 23 de julho de 1967, deixava evidente o quanto as diretrizes do CND (Conselho Nacional dos Desportos) estavam caindo por terra:

"A meio fundista Irenice Maria Rodrigues, atleta do FFC, que sábado último melhorou em 6s e 3décimos sua marca sul-americana dos 800m rasos – feito por ela repetido pela segunda vez – não havia sido cogitada para se tornar a única corredora do Brasil nesta difícil prova que hoje ainda é o tema principal de reuniões da medicina esportiva de todo mundo. Sua adaptação à difícil prova durou 5 meses, graças aos esforços do seu técnico Genario Simões e do Dr. Renato, encarregado de estudar as possibilidades físicas de Irenice para uma prova de tamanha envergadura para o sexo feminino".

Foi recordista brasileira dos 400 metros raros e sul-americano dos 800 metros. Foi aos Jogos Pan-Americanos de Winninpeg, em 1967, e estabeleceu o primeiro recorde reconhecido, dos 800 metros. No ano seguinte foi aos Jogos Olímpicos do México, mas acabou sendo expulsa da delegação por conduta antidesportiva, causada por um desentendimento com uma outra atleta brasileira.

Irenice sempre lutou pelos direitos dos atletas, desde os mais básicos – como equipamentos, acomodação ou pagamento dos subsídios – até os mais universais, como a igualdade racial e a justiça do trabalho. Acabou banida de uma Olimpíada e teve seus registros esportivos "apagados" dos documentos esportivos oficiais nacionais.

(Bibliografia: Livro "Atletas Olímpicos Brasileiros", de autoria de Katia Rubio)

Sobre as autoras

Renata Mendonça é jornalista, são-paulina, e apaixonada por esporte desde que se conhece por gente. Foi em um ~dibre desses da vida que conseguiu unir trabalho e paixão sendo jornalista esportiva. Hoje, sua luta é para que mais mulheres consigam ocupar esse espaço. Angélica Souza é publicitária, de bem com a vida e tem um senso de humor que, na maioria das vezes, faz as pessoas rirem. Alucinada por futebol - daquelas que não pode ver uma bola que já sai chutando - sabe da importância e responsabilidade de ser uma mulher com essa paixão. Nas costas, gosta da 10, e no peito, o coração é verde e branco e bate lá na Turiassú. Roberta Nina é aquariana por essência, são-paulina por escolha e jornalista de formação. Tem por vocação dar voz às mulheres no esporte.

Sobre o blog

Futebol não é coisa de mulher. Rugby? Vocês não têm força para jogar... Lugar de mulher é na cozinha, não no campo, na quadra, na arquibancada. Já ouviu isso muitas vezes, né?! Mas o ~dibradoras surgiu para provar justamente o contrário. Mulher pode gostar, entender e praticar o esporte que quiser. E quem achar que não, a gente ~dibra ;)

Mais Dibradoras