Topo
Dibradoras

Dibradoras

Demorou, mas chegou: a transmissão 100% feminina do futebol feminino na TV

Renata Mendonça

21/09/2018 14h11

Luciana Mariano narrará os jogos das semifinais e finais do Paulista feminino na ESPN (Foto: Divulgação)

Ligar a televisão e ver futebol é uma coisa muito normal no Brasil – outro dia, liguei e estava passando a Eurocopa Sub-20, quem diria. Mas ligar a TV e ver futebol feminino, ainda é algo bem raro. E ligar seu aparelho e ouvir vozes de mulheres transmitindo um jogo de mulheres…aí é algo que parece realmente impossível.

Mas vai acontecer. Neste fim de semana, acontecem as semifinais do Campeonato Paulista de futebol feminino e elas serão transmitidas na televisão com uma parceria da ESPN com a Federação Paulista de Futebol (FPF). Mais do que isso, a transmissão será 100% feminina, com Luciana Mariano narrando, a ex-capitã da seleção brasileira Juliana Cabral comentando ao lado de Gabriela Montesano, além de Marília Galvão na reportagem de campo.

Não sou daquelas que pensa que mulheres devem trabalhar com futebol feminino – e só -, e homens devem trabalhar com futebol masculino. O Jornalismo Esportivo é um só e ambos devem ter as mesmas oportunidades de trabalhar em todas as áreas dele.

Mas é representativo que numa modalidade tão negligenciada e que sofre tanto com o preconceito, mulheres que também sentem esse machismo na pele comandem a transmissão. Elas que já ouviram tanto que "futebol é coisa de homem", que "mulher não entende nada" e que "lugar de mulher é na cozinha", com certeza entendem um pouco do que aquelas meninas em campo sofrem todos os dias e podem ampliar a voz delas na luta por um espaço que é de direito de todas nós.

As transmissões incluirão os jogos de volta das semifinais do Paulista – Corinthians x Taubaté no sábado às 15h, e Santos x Rio Preto no domingo às 10h – , além das partidas que definirão o campeão. A FPF já transmitia os jogos pela internet, também com narração e comentários femininos, e continuará fazendo isso, mas agora com uma nova oportunidade para o público de acompanhar as partidas também pela TV, na ESPN Extra.

Juliana Cabral fará os comentários dos jogos do Paulista feminino (Foto: Divulgação)

Desde que Aline Pellegrino assumiu a coordenação de futebol feminino da FPF, a entidade começou a olhar mais para a modalidade e investir mais nos campeonatos das mulheres. Já desde 2016, a FPF TV faz transmissões dos jogos femininos nos torneios que organiza e proporciona ao público a oportunidade de acompanhar o futebol feminino – algo que é muito difícil ainda hoje no Brasil pela ausência de transmissões na TV ou da cobertura dos grandes veículos de imprensa.

Já foram centenas de jogos femininos mostrados no canal da federação nos últimos dois anos e a audiência tem só aumentado, segundo Aline Pellegrino.

"O futebol feminino precisa de visibilidade, e os números mostram, a cada transmissão, que há muito público com interesse. O Paulista Feminino é o mais tradicional campeonato do país e terá finais muito emocionantes", disse a coordenadora do futebol feminino da FPF.

Para Luciana Mariano, que participou das transmissões do futebol feminino no auge da visibilidade para a modalidade – quando Luciano do Vale levou os jogos do Paulista feminino para a Bandeirantes -, a conquista representa muito para as mulheres como um todo.

Foto: Santos FC Divulgação

"Eu acho fantástico! A gente vai se firmando. A transmissão vai ser muito especial com a Juliana Cabral comentando, a Marília Galvão fazendo reportagem de campo ao vivo do Parque São Jorge e Domingo da Vila Belmiro. Vamos ter cenário e tudo mais. Tive essa experiência na Rede Bandeirantes de televisão em 97 com a Carla França na reportagem e o Roberto Rivelino nos comentários. Estamos retomando com muito mais força um caminho que só vai crescer", afirmou a narradora às dibradoras.

Agora, mais do que só transmitir os jogos na televisão, é preciso começar a falar sobre eles. O futebol feminino só vai poder crescer e se desenvolver em todo o seu potencial quando as pessoas souberem que ele existe. Ouvimos já de muitas jogadoras – inclusive da Marta e da própria Juliana Cabral, que participará da transmissão – que o sonho delas de ser jogadora de futebol começou depois que viram uma partida de futebol feminino na TV. A partir dali, viram que havia aquela possibilidade. "Vi o futebol feminino na Olimpíada na televisão e aí pensei: pronto, é isso aí que eu quero fazer", nos disse uma vez Juliana Cabral.

Esse é o tamanho da importância dessa visibilidade. Por isso, que venham mais e mais transmissões na televisão, na internet e em todos os lugares.

Brasileirão feminino

Foram definidas nesta quinta-feira as semifinais do Campeonato Brasileiro de Futebol Feminino. As quartas terminaram com uma surpresa: o atual campeão, Santos, acabou eliminado nos pênaltis para a Ferroviária. O Iranduba, que havia trazido recordes de público para o futebol feminino na fase final do Brasileiro em 2017, também deixa a competição após empate contra o Rio Preto em casa. Corinthians e Flamengo também avançaram. Veja os resultados:

Flamengo 4 x 0 Kindermann (ida: Kindermann 1 x 0 Flamengo)
Corinthians 2 x 0 Ponte Preta (ida: Corinthians 1 x 0 Ponte Preta)
Iranduba 1 x 1 Rio Preto (ida: Rio Preto 1 x 0 Iranduba)
Santos (3) 2 x 2 (4) Ferroviária (ida: Ferroviária 1 x 1 Santos

Os cruzamentos das semifinais terão Corinthians x Flamengo e Ferroviária x Rio Preto, mas as datas ainda não foram confirmadas pela CBF. Por enquanto, nenhuma televisão fará a transmissão dos jogos.

Sobre as autoras

Renata Mendonça é jornalista, são-paulina, e apaixonada por esporte desde que se conhece por gente. Foi em um ~dibre desses da vida que conseguiu unir trabalho e paixão sendo jornalista esportiva. Hoje, sua luta é para que mais mulheres consigam ocupar esse espaço. Angélica Souza é publicitária, de bem com a vida e tem um senso de humor que, na maioria das vezes, faz as pessoas rirem. Alucinada por futebol - daquelas que não pode ver uma bola que já sai chutando - sabe da importância e responsabilidade de ser uma mulher com essa paixão. Nas costas, gosta da 10, e no peito, o coração é verde e branco e bate lá na Turiassú. Roberta Nina é aquariana por essência, são-paulina por escolha e jornalista de formação. Tem por vocação dar voz às mulheres no esporte.

Sobre o blog

Futebol não é coisa de mulher. Rugby? Vocês não têm força para jogar... Lugar de mulher é na cozinha, não no campo, na quadra, na arquibancada. Já ouviu isso muitas vezes, né?! Mas o ~dibradoras surgiu para provar justamente o contrário. Mulher pode gostar, entender e praticar o esporte que quiser. E quem achar que não, a gente ~dibra ;)

Mais Dibradoras