Topo
Dibradoras

Dibradoras

O incrível feito de Serena em Wimbledon 10 meses após nascimento de filha

Renata Mendonça

14/07/2018 14h27

Foto: EPA

Serena Williams parece realmente não ser desse mundo. Há apenas dez meses, ela dava à luz sua filha Alexis Olympia, em meio a complicações no parto que quase tiraram sua vida. Menos de um ano depois, ela entrou em quadra neste sábado (14/7) para fazer história ao disputar uma final de Grand Slam, desta vez em Wimbledon.

A vitória porém foi da alemã Angelique Kerber, número 9 do mundo, por dois sets a zero. A maior tenista de todos os tempos não fez seu melhor jogo nesta final e demonstrou, em alguns momentos, que ainda está fora de forma.

Angelique Kerber logo após a vitória diante de Serena Williams (Foto: Glyn KIRK / AFP)

Independente do título, estar nesta final é um feito enorme para Serena Williams. Este foi o apenas o quarto torneio disputado por ela após as complicações do nascimento da filha. Esse retorno representa uma nova fase da tenista, que agora é uma atleta-mãe (ou mãe-atleta). E isso implica sacrifícios que a gente nem imagina.

O mais difícil deles possivelmente aconteceu há uma semana, quando sua filha Olympia deu seus primeiros passos de vida. Aos dez meses de idade, ela começou a andar. Mas Serena Williams só soube a novidade depois. Ela estava treinando no momento em que tudo aconteceu.

Em suas redes sociais, a tenista não escondeu a tristeza. "Ela deu seus primeiros passos hoje. Eu estava treinando e perdi isso. Eu chorei", afirmou pelo Twitter.

A presença de Serena em final de Wimbledon é imensurável. Se conquistasse o título, seria maior ainda. A tenista americana entraria para o seleto grupo de atletas que atletas que conquistaram um Grand Slam após a maternidade, ao lado de Kim Clijster, Evonne Goolagong Cawley e Margaret Court.

Kim Clijsters (acima com a filha Jada depois de vencer o US Open de 2010), Evonne Goolagong Cawley e Margaret Court ganharam Grand Slams como mães (Foto: Getty Images)

O título não veio agora e após o término da partida – visivelmente muito emocionada – Serena fez questão de frisar que jogou esta final em nome de todas as mães e elogiou o feito da rival alemã. "Ela (Kerber) é uma pessoa incrível. Uma grande amiga e estou feliz por ela", declarou em meio às lágrimas.

"Eu fiquei muito feliz de ter chegado tão longe. Para todas as mães aí fora, eu joguei por vocês hoje", disse.

A campeã não ficou atrás e nem escondeu a emoção. "Serena é sempre uma inspiração para todas as mulheres. Tentei jogar meu melhor tênis hoje para enfrentá-la e tenho certeza que em breve ela irá conquistar mais um Grand Slam", declarou Kerber.

O abraço das duas tenistas após o término da partida (Foto: Reprodução Twitter/Wimbledon)

O que torna Serena Williams tão especial – além de sua vitoriosa carreira? Com certeza o fato dela ser uma mulher que não esconde suas fraquezas e as divide com outras milhões de mulheres que compartilham as mesmas dores e dificuldades de superar esses obstáculos. Desde o nascimento de Olympia, Serena falou abertamente sobre as complicações que viveu no parto, sobre as dificuldades para voltar a treinar e sobre o significado de seu retorno às quadras. "Para todas as mães que tiveram uma recuperação difícil da gravidez, aqui vai. Se eu posso fazer isso, você também pode. Amo todos vocês", disse ela pelas redes sociais após a estreia em Roland Garros.

Foto: EFE

No torneio francês, foram três vitórias até ela abandonar a competição por conta de uma contusão no peito que limitou seus movimentos e não permitiu que ela enfrentasse Maria Sharapova na quarta rodada do torneio.

Já recuperada em Wimbledon, Serena venceu Arantxa Rus, depois Tomova, Mladenovic, Evgeniya Rodina, Camila Giorgi e Julia Gorges até chegar à decisão contra a alemã. No entanto, nem ela própria imaginava que chegaria tão longe em tão pouco tempo após a gravidez.

"Esses últimos 10 meses foram muito doidos. Eu ainda estava grávida nessa época no ano passado. Eu tive um parto difícil, tive que passar por inúmeras cirurgias e quase não sobrevivi, para falar a verdade", afirmou a tenista.

"Eu lembro que mal conseguia andar até a caixa dos correios, então para mim definitivamente não é 'normal' estar na final de Wimbledon agora."

Foto: Reuters

Essa foi a décima vez que disputou o torneio de Wimbledon, conquistando o troféu por seis vezes. Serena é quase imbatível na grama, mas desta vez foi superada pela alemã. E, mesmo assim, Williams sempre reconheceu também o esforço das adversárias para vencê-la. Todo mundo faz sua melhor partida quando vai enfrentar Serena, porque sabe que vencê-la é algo que beira o impossível.

"É isso que me faz ser a grande tenista que sou. Eu sempre jogo contra adversárias no melhor nível que elas podem mostrar, então eu preciso ser ainda melhor", afirmou a americana. Ela não perdia há 21 jogos em Wimbledon – incluindo as campanhas que terminaram em título em 2015 e 2016.

O 24º título de Grand Slam não veio desta vez e adiou a chance dela igualar o feito de Margaret Court pelo número de torneios conquistados em toda a história do tênis mundial – Serena já era a maior vencedora da Era Moderna, e agora poderia ultrapassar a ex-tenista australiana para se tornar a maior vencedora de todos os tempos.

Serena Williams – grávida – com o troféu de campeã do Aberto da Austrália de 2017 (Foto: Reprodução/Twitter)

Mas é importante lembrar que no início de 2017, Serena levantou o 23º título de Grand Slam ao vencer o Aberto da Austrália, quando já estava grávida. Foi o último torneio disputado antes de sua filha Olympia nascer.

De toda forma, como bem disse seu marido e pai de Olympia, Alexis Ohanian, Serena Williams é uma guerreira – dentro e fora de quadra. Quem duvida do que ela é capaz? Se não pode ver os primeiros passos de sua filha em tempo real, com certeza poderá ver Olympia aplaudi-la de pé por muito tempo e com orgulho de ver a figura que a mãe se tornou: uma inspiração absoluta para todas as mulheres.

Sobre as autoras

Renata Mendonça é jornalista, são-paulina, e apaixonada por esporte desde que se conhece por gente. Foi em um ~dibre desses da vida que conseguiu unir trabalho e paixão sendo jornalista esportiva. Hoje, sua luta é para que mais mulheres consigam ocupar esse espaço. Angélica Souza é publicitária, de bem com a vida e tem um senso de humor que, na maioria das vezes, faz as pessoas rirem. Alucinada por futebol - daquelas que não pode ver uma bola que já sai chutando - sabe da importância e responsabilidade de ser uma mulher com essa paixão. Nas costas, gosta da 10, e no peito, o coração é verde e branco e bate lá na Turiassú. Roberta Nina é aquariana por essência, são-paulina por escolha e jornalista de formação. Tem por vocação dar voz às mulheres no esporte.

Sobre o blog

Futebol não é coisa de mulher. Rugby? Vocês não têm força para jogar... Lugar de mulher é na cozinha, não no campo, na quadra, na arquibancada. Já ouviu isso muitas vezes, né?! Mas o ~dibradoras surgiu para provar justamente o contrário. Mulher pode gostar, entender e praticar o esporte que quiser. E quem achar que não, a gente ~dibra ;)

Mais Dibradoras